Plano de Combate nacional -Sem bullying, sem violência nas escolas

Em Educação/Sociedade

O Ministério da Educação vai avançar com um plano de combate ao bullying e ao ciberbullying ainda este ano letivo, apostando na sensibilização, prevenção e definição de mecanismos de intervenção nas escolas, ao qual ficará associada a campanha “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência.”

O “Plano de Prevenção e Combate ao Bullying e Ciberbullying”, da Direção-Geral da Educação, em articulação com a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e a Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, e as respetivas ferramentas de apoio, chegam às escolas na semana que antecede o dia 20 de outubro, Dia Mundial de Combate ao Bullying.

De acordo com o Governo, “o objetivo é erradicar o bullying e o ciberbullying nas escolas, enquadrando-os no contexto da violência em meio escolar, ajudando a reconhecer sinais de alerta, lançando orientações e capacitando as Escolas para a utilização de diferentes abordagens de prevenção e intervenção.”

As escolas recebem assim orientações gerais para a constituição de equipas “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência”; a assinatura do compromisso “Turma Sem Bullying. Turma Sem Violência”; a disponibilização online de conselhos para alunos, famílias e escolas; sem esquecer projetos e outras iniciativas que já existem e se enquadram na temática.

Entretanto, garante o Ministério da Educação, foi introduzida uma melhoria na Plataforma SISE (Sistema de Informação de Segurança Escolar), que passou pela criação de um campo que permite aos diretores indicarem a existência de um caso de bullying e/ou ciberbullying ao mesmo tempo que se pretende a divulgação das boas práticas nas escolas.

O governo criou também um grupo de trabalho para promover a celebração de parcerias com outras instituições e monitorizar a existência de situações de violência em contexto escolar.

Até 30 de julho de 2020, este grupo de trabalho tem de apresentar um relatório final sobre os resultados alcançados, com recomendações e propostas de atuação para o futuro.

De acordo com a UNESCO, uma em cada três crianças é vítima de bullying.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*