Bienal de Coruche, a arte está nas ruas do Bairro Novo

Em Ribatejo Cool

A Bienal de Coruche – Percursos com Arte 2019 realiza-se a partir de amanhã, 28 de setembro até 13 de outubro, no Bairro Novo, zona residencial da vila a que o município quer “introduzir renovação e dinamismo”.

“Aproveitando as edificações devolutas e os espaços públicos descaracterizados, pretende-se incentivar a população a colaborar e a interagir com o movimento artístico que ali vai acontecer”, refere a Câmara de Coruche em nota à imprensa.

Com obras a concurso, este ano em contexto de Residências Artísticas, e com a participação da comunidade no projeto Envolvências Locais, a Bienal de Coruche desafia artistas visuais, nacionais e estrangeiros a participar no programa.

O desafio é para que realizem “trabalhos criativos e inovadores, tendo como referência o contexto histórico, social, cultural, económico e geográfico do território onde se insere” a Bienal.

As residências artísticas aconteceram em maio e julho, e os trabalhos artísticos resultantes são apresentados agora durante a Bienal, sendo objetivo da organização “motivar a troca de experiências e conhecimento entre os artistas e destes com a comunidade local”.

A ligação com a comunidade local, incluindo artistas, profissionais e amadores, e instituições, acontece com o projeto Envolvências Locais, que este ano vai ter como base a toponímia das ruas do Bairro Novo, que faz alusão às antigas colónias portuguesas.

Os trabalhos resultantes do projeto, que são apresentados em exposições de rua, têm “como base símbolos/objetos relacionados com a cultura” daqueles países.

A Bienal inclui, novamente, uma exposição fotográfica, com a participação de fotógrafos amadores e profissionais de Coruche que foram convidados a registar o bairro, as suas gentes e vivências, havendo ainda espaço para a partilha de fotografias antigas de moradores e da comunidade em geral, recolhas que integrarão a exposição “Bairro Novo: o passado e o presente”.

De maio a outubro, o Bairro vai acolher e exibir diversas formas de expressão artística, exposições coletivas e individuais e servir, ainda, de palco a outros eventos de caráter lúdico e educativo, afirma a nota.

A Bienal de Coruche é um dos acontecimentos que o Município promove ao longo do ano com o objetivo de afirmar o concelho “como marca de qualidade”, promovendo a gastronomia local, a cortiça, os produtos da lezíria, a cultura e artes plásticas, atividades desportivas e o turismo de natureza.

Sob o mote “As artes invadem o Bairro”, esta edição da Bienal de Artes de Coruche tem como novidade a introdução das Residências Artísticas, que decorreram entre maio e julho e consistiram na permanência de onze artistas na vila de Coruche, durante três semanas, permitindo que conhecessem melhor a região e a cultura locais e se deixassem inspirar na conceção das suas obras.
O projeto das Envolvências Locais, inserido na Bienal, permite que toda a comunidade participe nesta iniciativa com trabalhos artísticos relacionados com os nomes das ruas do Bairro Novo que, assim, vão estar decoradas com peças alusivas à ex-colónia correspondente. Este projeto conta com 150 participações individuais e 37 associações envolvidas.
Os visitantes poderão participar em workshops de dança tradicional, mostras de gastronomia, workshops de caligrafia, recortes de papel, artesanato, tatuagens Henna e outros eventos relacionados com África, Índia, Macau e Timor, a decorrerem no pátio da antiga Escola do Bairro
Novo.
Haverá, ainda, uma mostra de cinema e uma conversa com os realizadores coruchenses João Alves, João Domingos, Carlos Amaral, Frederico Ferreira e Tânia Prates. Nas sessões de cinema serão também mostrados filmes do cineasta timorense Victor de Sousa Pereira. O evento conta ainda com a presença da investigadora Maria do Carmo Piçarra, que falará do seu trabalho acerca da temática abordada no filme “Vitória ou morte: a queda da Índia Portuguesa”, de Pedro Efe e Pedro Madeira, e do soldado coruchense Sérgio Gomes, que esteve em Diu, na Índia.
A edição deste ano começa a 28 de setembro e estende-se até dia 13 de outubro, com uma programação que abrange várias áreas artísticas.
Consulte o programa em: https://www.bienaldecoruche.org/programa/

Lusa26 Março 2019 — 12:30

TÓPICOS

“Aproveitando as edificações devolutas e os espaços públicos descaracterizados, pretende-se incentivar a população a colaborar e a interagir com o movimento artístico que ali vai acontecer”, afirma uma nota da Câmara de Coruche, no distrito de Santarém.

Mais uma vez com obras a concurso, este ano em contexto de Residências Artísticas, e com a participação da comunidade no projeto Envolvências Locais, a Bienal de Coruche desafia artistas visuais, nacionais e estrangeiros a participar no programa.

O desafio é para que realizem “trabalhos criativos e inovadores, tendo como referência o contexto histórico, social, cultural, económico e geográfico do território onde se insere” o evento.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.SUBSCREVER

As residências artísticas vão acontecer em maio e em julho e os trabalhos artísticos resultantes serão apresentados durante a Bienal, sendo objetivo da organização “motivar a troca de experiências e conhecimento entre os artistas e destes com a comunidade local”.

A ligação com a comunidade local, incluindo artistas, profissionais e amadores, e instituições, acontece com o projeto Envolvências Locais, que este ano vai ter como base a toponímia das ruas do Bairro Novo, que faz alusão às antigas colónias portuguesas, afirma o município.

Os trabalhos resultantes do projeto, que serão apresentados em exposições de rua, terão “como base símbolos/objetos relacionados com a cultura” daqueles países.

O evento volta a incluir uma exposição fotográfica, tendo os fotógrafos amadores e profissionais de Coruche sido convidados a registar o bairro, as suas gentes e vivências, havendo ainda espaço para a partilha de fotografias antigas de moradores e da comunidade em geral, recolhas que integrarão a exposição “Bairro Novo: o passado e o presente”.

De maio a outubro, o Bairro vai acolher e exibir diversas formas de expressão artística, exposições coletivas e individuais e servir, ainda, de palco a outros eventos de caráter lúdico e educativo, afirma a nota.

A Bienal de Coruche é um dos eventos programados para decorrer ao longo do ano com o objetivo de afirmar o concelho “como marca de qualidade” e que promovem a gastronomia local, a cortiça, os produtos da lezíria, a cultura e artes plásticas, atividades desportivas e o turismo de natureza, acrescenta.

Sob o mote “As artes invadem o Bairro”, esta edição da Bienal de Artes de Coruche tem como novidade a introdução das Residências Artísticas, que decorreram entre maio e julho e consistiram na permanência de onze artistas na vila de Coruche, durante três semanas, permitindo que conhecessem melhor a região e a cultura locais e se deixassem inspirar na conceção das suas obras.
O projeto das Envolvências Locais, inserido na Bienal, permite que toda a comunidade participe nesta iniciativa com trabalhos artísticos relacionados com os nomes das ruas do Bairro Novo que, assim, vão estar decoradas com peças alusivas à ex-colónia correspondente. Este projeto conta com 150 participações individuais e 37 associações envolvidas.
Os visitantes poderão participar em workshops de dança tradicional, mostras de gastronomia, workshops de caligrafia, recortes de papel, artesanato, tatuagens Henna e outros eventos relacionados com África, Índia, Macau e Timor, a decorrerem no pátio da antiga Escola do Bairro
Novo.
Haverá, ainda, uma mostra de cinema e uma conversa com os realizadores coruchenses João Alves, João Domingos, Carlos Amaral, Frederico Ferreira e Tânia Prates. Nas sessões de cinema serão também mostrados filmes do cineasta timorense Victor de Sousa Pereira. O evento conta ainda com a presença da investigadora Maria do Carmo Piçarra, que falará do seu trabalho acerca da temática abordada no filme “Vitória ou morte: a queda da Índia Portuguesa”, de Pedro Efe e Pedro Madeira, e do soldado coruchense Sérgio Gomes, que esteve em Diu, na Índia.
A edição deste ano começa a 28 de setembro e estende-se até dia 13 de outubro, com uma programação que abrange várias áreas artísticas.
Consulte o programa em: https://www.bienaldecoruche.org/programa/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Recentes de Ribatejo Cool

Ir para Início