Obras avançam na Encosta da Ribeira de Santarém

Em Região

No âmbito da empreitada de “Projeto Global de Estabilização das Encostas de Santarém” (PGEES), está prevista a construção de um muro de proteção na zona a sul da estação ferroviária de Santarém, que obriga a fazer o desmonte (escavação) da encosta confinante, que apresenta atualmente grave risco de desmoronamento, podendo provocar perigo de derrocada, com eventuais prejuízos/danos nas habitações existentes – que justificaram o realojamento temporário dos residentes de uma habitação contigua ao local da intervenção -, bem como na circulação rodoviária e pedonal e constrangimentos na circulação ferroviária da Linha do Norte.

Segundo o comunicado da Câmara de Santarém, a empresa Ancorpor- Geotecnia e Fundações, Lda., adjudicatária da empreitada, irá proceder à realização de trabalhos de escavação/desmonte da zona da encosta que se encontra em perigo, para posterior estabilização da mesma, e por forma a permitir a construção de muro de suporte de terras.

Com vista à realização dos referidos trabalhos, e por forma a garantir-se a segurança de pessoas e bens, está previsto o seguinte faseamento de condicionamentos de trânsito:

1.ª fase

Suspensão da circulação rodoviária a todos os veículos, exceto veículos automóveis pesados, na Rua Bispo D. Freire Domingos Maria Frutuoso, no troço entre a Estação de Caminhos de Ferro de Santarém e a Calçada de Santa Clara, com um período previsto de 3 a 4 dias.

Nesta fase, o percurso alternativo para os restantes veículos será pelo interior da Ribeira de Santarém.

2.ª fase

Condicionamento de trânsito, na via mais chegada à encosta, com regulação da circulação de veículos de forma alternada, com recurso a sistema de semáforos, na Rua Bispo D. Freire Domingos Maria Frutuoso (ex-Estrada da Estação), no troço entre a Estação de C.F. de Santarém e a Calçada de Santa Clara, com duração de 4 a 5 dias.

Nesta fase, termina o percurso alternativo, sendo restabelecida a normal circulação pela ex-Estrada da Estação, com circulação alternada, como já referido.

Em face das condicionantes identificadas, conjuntamente com eventual agravamento das condições climatéricas, poderá verificar-se a necessidade de alteração dos períodos previstos para a 1.ª e 2.ª fases, como tal, e visando garantir eventuais dificuldades no comprimento dos prazos estabelecidos, contemplou-se um período de intervenção de 19 dias, embora os constrangimentos a nível da circulação rodoviária, devam respeitar, apenas, os indicados na 1.ª e 2.º fases. 

Neste sentido, embora o edital publicitado pela Câmara Municipal refira um período de suspensão do trânsito de 19 dias, entre o dia 11 e 30 de novembro de 2019, espera-se que os condicionamentos ao trânsito respeitem os períodos previstos nas fases identificadas anteriormente.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Recentes de Região

Ir para Início