O elementar da lesão dos músculos e articulações

Em Saúde

As situações que iremos aflorar são as que se classificam como de menor gravidade. Há as de maior gravidade que dão pelo nome de artrose (doença degenerativa das articulações), doenças do tecido conjuntivo (caso da artrite reumatoide), lúpus (doença crónica, autoimune, com episódios de inflamação nas articulações) ou bursite (inflamação com dor de uma bolsa que é um saco que contém líquido sinovial), entre outras. As de menor gravidade dizem respeito aos músculos, ligamentos e tendões, que são causadas por tensão, stress ou esforço muscular excessivo e traumatismos que possam ocorrer em atividades desportivas ou por má postura profissional. As lesões a que aqui faremos menção são as que podem recorrer ao aconselhamento farmacêutico: a distensão muscular, a entorse e a tendinite.

Manifestam-se por dor, inchaço ou inflamação e, por vezes, dificuldade de movimentos. Quando o músculo estica de mais, pode haver uma distensão. Esta é bastante comum nos músculos das pernas. A entorse resulta igualmente de um estiramento ao nível do ligamento ou da laceração deste. É bem conhecida a entorse do tornozelo, que resulta da rutura de ligamentos que ligam os ossos entre si, devido a uma distensão excessiva resultante da torsão do pé. Há a entorse grave, neste caso impõe-se observação por um ortopedista. Nos casos de nível de entorse ligeira ou moderada pode haver aplicação de compressas ou de uma ligadura elástica, seguida de repouso. A tendinite envolve a inflamação de tendões.

Para tratar estas dores musculares e articulares encontrou-se uma ferramenta útil, chama-se método PRACE (que significa: proteção, repouso, arrefecimento, compressão e elevação) como se ilustra: – proteção da região para evitar agravamento da lesão (é o caso do uso de uma banda elástica); – repouso para acelerar a cura dos tecidos afetados; – arrefecimento logo após a lesão, aplicando-se sacos para gelo de borracha ou sacos com gel; – compressão da zona com recurso a uma ligadura elástica até que o edema diminua; – elevação do membro lesionado, se possível acima do coração. O que fica dito é muito sumário, há igualmente medidas específicas, como há casos bastante rebeldes em que é necessário fazer fisioterapia.

Há medicamentos não sujeitos a receita médica, mas impõe-se o aconselhamento farmacêutico. Ele poderá recomendar a aplicação no local doloroso de medicamentos com ação analgésica em creme, pomada ou spray para aliviar a dor. Existe um grande número de medicamentos destinados a aplicação local, caso de anti-inflamatórios. Há situações em que para a mesma substância ativa o medicamento pode apresentar-se sob a forma de creme, pomada, spray ou emplastro. A escolha dependerá do conforto do doente. E porquê o aconselhamento farmacêutico? Recorde-se que os anti-inflamatórios não estão recomendados para crianças com menos de doze anos. Os medicamentos tópicos (de aplicação na pele) não devem ser usados se existirem lesões ou feridas. Escolha com o seu farmacêutico a apresentação que lhe for mais agradável para aplicação. Os doentes crónicos que precisarem de tomar analgésicos para tratar estas dores musculares ou articulares de menor gravidade devem informar o farmacêutico sobre as doenças e os medicamentos que tomam regularmente, para que lhes sejam recomendados os analgésicos que menos interfiram com a terapêutica que estejam a seguir.

Beja Santos

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Recentes de Saúde

Ir para Início