fbpx

É preciso melhorar o trabalho por turnos

Em Opinião

Imagine que hoje, dia 24, tem de trabalhar das 16h à meia-noite, ou que vai entrar à meia-noite até às 8 da manhã. E que no dia 31 de dezembro terá de trabalhar também das 16h à meia-noite, ou que vai entrar à meia-noite até às 8 da manhã.

Imagine que trabalhou das 16 à meia-noite e quando chega a casa o seu filho já está a dormir, ou que era preciso ir busca-lo ao infantário, mas estava a trabalhar… Agora imagine que trabalha por turnos em Lisboa e mora em Santarém…

Imagine que é fim de semana. Ótimo, vai descansar e conviver; errado, está de escala de turno e tem de ir trabalhar. A família pede para ir à terra ver os avós (…), mas está a trabalhar…

Suponhamos que trabalhou de noite e faltou um colega que adoeceu: vai ter de continuar a trabalhar pelo menos até ao meio-dia enquanto em casa resmungam, pois já deviam estar a caminho de Castelo Branco para visitar os avós… Agora pedem-lhe para conduzir o carro, trabalhou doze horas seguidas e não dormiu, o balão da GNR dá zero de álcool mas está pior que bêbado…

Imagine que a família está de fériasmas vai estar a trabalhar… Agora imagine que chegou o seu período de férias marcado na escala de turnos, agora é a família que está a trabalhar…

Se isso lhe acontece então o leitor ou leitora é uma das quase 800 mil pessoas que trabalham por turnos em Portugal, pessoas cujos horários prolongam-se até 24 horas e 365 dias por ano.

Se há implicações na vida familiar e social, também na saúde são assinaláveis diminuindo a sua qualidade de vida ao longo dos anos.

Ao trabalhar por turnos está a alterar o seu ciclo sono-vigília e isso não é uma banalidade. Ao alterar o seu ritmo circadiano, o seu relógio biológico, está a alterar as normais condições do seu metabolismo…

Dormir de dia tem menor qualidade e duração. Dormir de dia é querer dormir quando o seu corpo quer estar acordado, o sono será menos recuperador, andará mais cansado e mais irritado, terá mais dificuldade em concentrar-se e tenderá a ter mais problemas psicológicos, envelhecimento precoce…

O trabalhador de turnos tem mais acidentes de viação, nomeadamente quando sai do turno da noite… Como a sua taxa de divórcio é maior!

Saiba também que mais de 25% dos trabalhadores de turnos sofreram problemas de saúde acrescidos, por exemplo gastrointestinais, porque come pior e fora de horas, ou 40% mais de problemas cardiovasculares, devido à alteração dos ritmos circadianos ou alterações bioquímicas.

Se tudo isto acontece com um homem, com uma mulher os problemas acrescem. Imagine que está grávida ou precisa de amamentar?

Sabe que o risco de cancro da mama na mulher que faz turnos é maior?

Por tudo isto – e escrevo com a experiência de ter feito turnos durante onze anos – é preciso que o governo aceite melhorar as condições de trabalho de quem labora por turnos.

É necessário mais apoio na saúde – começando na prevenção e despiste de doenças -, mais dias de férias, reduzir o horário semanal de trabalho para as 35h, maior controlo sobre as escalas arbitrárias que várias entidades patronais fazem…

Os projetos-lei estão no Parlamento e, segundo a imprensa, estão também nas negociações BE-PS; esperemos que o governo aceite melhorar a vida de quem trabalha por turnos!

Vítor Franco

Deixar uma resposta

Recentes de Opinião

A pandemia escondida

Não eram precisos dados para concluir que a pandemia Covid-19 teria intensificado…

Ir para Início
%d bloggers like this: