fbpx

Proteção Civil de Santarém decide esta sexta-feira se o edifício da Av. 25 de Abril pode ou não ser reocupado

Em Região

A Proteção Civil de Santarém vai decidir esta sexta-feira se o prédio da Avenida 25 de Abril pode ou não voltar a ser ocupado pelos moradores, após conhecer a avaliação técnica da Comissão de vistorias do Município. Recorde-se que ontem a Proteção Civil mandou evacuar o edifício, tendo sido retirados 14 dos 19 moradores, devido à queda de elementos estruturais e à existência de fissuras no edifício.

Comissão Técnica avalia condições de segurança do edifício

José Guilherme, comandante dos Bombeiros Municipais de Santarém e coordenador da Proteção Civil municipal, disse à Lusa que na sexta-feira será feita uma avaliação técnica por uma equipa da Comissão Técnica de Vistorias do município, que inclui engenheiros, arquitetos e geólogos, para determinar se os residentes podem ou não regressar ao edifício.

Obras ilegais da piscina e anexo põem em risco edifício

Segundo o comandante, a situação tem origem em obras não licenciadas realizadas por um dos moradores nuns anexos, que incluíram a construção de uma piscina, numa intervenção com escavações em zona de barreira, mexendo com elementos estruturais do edifício.

E o inevitável aconteceu no fim de semana passado, com as recentes intempéries e pelas chuvas dos últimos dias a fazerem ruir uma muralha da base do edifício na encosta, como se vê nas fotos registadas pelo Mais Ribatejo.

José Guilherme afirmou que a situação tem vindo a ser acompanhada pelo município, que já tinha emitido uma notificação ao proprietário.

“Não podemos correr riscos”, disse, sublinhando que a prioridade da Proteção Civil é “a defesa de pessoas e bens”, lema que ditou a decisão tomada hoje e que vigorará até que seja conhecido o resultado da avaliação marcada para sexta-feira.

O prédio, situado numa zona antiga da cidade, na Avenida 25 de Abril, tem oito frações, sendo que dois casais e uma idosa foram levados para casas de familiares e duas famílias, uma com seis pessoas e outra com três, ambas com crianças, foram alojadas temporariamente numa unidade hoteleira da cidade.

A família do morador responsável pelas obras mantém-se no edifício, disse José Guilherme, lamentando esta decisão.

1 Comment

Deixar uma resposta

Recentes de Região

Ir para Início
%d bloggers like this: