Covid-19 – Sindicato denuncia entraves ao trabalho dos jornalistas

Em Atual

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) adiantou hoje ter recebido, nos últimos dias, várias denúncias de profissionais da comunicação social que estão a encontrar obstáculos ao seu trabalho, por “falta de colaboração das entidades oficiais”, de acordo com um comunicado.

Na nota, hoje divulgada, o SJ explicou que, “com a ativação dos planos municipais de emergência e proteção civil, muitos presidentes de Câmara assumiram o comando das operações, numa lógica de vedar a informação, ou, nalguns casos, de escolher os jornalistas a quem facultam dados, numa violação clara da lei e do direito à informação”.

O sindicato dá depois vários exemplos, como em Pombal, onde o presidente da Câmara “decidiu fazer um ‘briefing’ diário com os órgãos locais, escolhendo apenas três jornalistas para as ‘entrevistas’ (como lhes chamou) – gravadas em vídeo e só mais tarde partilhadas com os restantes órgãos de informação locais e regionais”.

O autarca foi depois alertado “para a ilegalidade da decisão” e decidiu “convocar todos os jornalistas dos órgãos regionais e nacionais para conferências de imprensa via Skype”.

Já em Ourém, “quando confrontado pelos jornalistas com a necessidade de adoção de algumas medidas de segurança (distanciamento) nas conferências de imprensa semanais, o presidente da câmara decidiu simplesmente cancelar os encontros com jornalistas”, criticou o SJ.

A estrutura sindical referiu ainda o caso de Leiria, em que o autarca “optou por prescindir dos jornalistas, gerindo ele próprio a informação diretamente para as redes sociais”.

Por fim, em Viana do Castelo, depois de uma reportagem do Jornal de Notícias referindo que “não havia material de proteção no hospital, no dia seguinte os profissionais de saúde receberam um manual de boas práticas que inclui a suspensão de contactos com a comunicação social”, criticou o SJ.

O sindicato fala mesmo em ‘lei da rolha’, que afetou muitos jornalistas da imprensa regional e correspondentes da imprensa nacional e que registou “episódios diversos a norte (em Fafe), a sul (Faro) e no Oeste, com as entidades de saúde pública a colocarem uma espécie de garrote na divulgação da informação, centralizada na Direção-Geral da Saúde”, lê-se no comunicado.

O SJ dá ainda conta de dificuldades em “confirmar dados junto dos serviços de saúde pública” e alertou para o facto de que as reuniões de Câmara, “que, até aqui, eram abertas, vão ser feitas por videoconferência, mas sem que os jornalistas tenham acesso”.

“Convém lembrar que as reuniões das autarquias são tão importantes para a imprensa regional como as sessões do parlamento são para a imprensa nacional”, sublinha o SJ.

Os jornais, as rádios e as televisões regionais não podem ser meras caixas de ressonância dos órgãos locais. Em tempo de crise como o que atravessamos, é imperioso que os media existam para mostrar o retrato do país, e isso só se consegue com jornalismo”, salientou o SJ, recordando que “o jornalismo faz-se com perguntas e não com comunicados em que apenas prevalece uma versão dos factos”.

Câmara de Ourém desmente que tenha cancelado encontros com jornalistas

O município de Ourém desmente que tenha cancelado encontros com jornalistas tal como denunciou hoje o Sindicato dos trabalhadores da comunicação social, dando conta de “falta de colaboração das entidades oficiais”.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a Câmara de Ourém, no distrito de Santarém, esclarece que “é falso que o senhor presidente” tenha “decidido simplesmente cancelar os encontros com os jornalistas, na mesma medida em que não é verdade que os ditos encontros ocorram semanalmente”.

No esclarecimento, a autarquia liderada por Luís Albuquerque (coligação Ourém Sempre PSD/CDS-PP) explica que foi cancelado o ‘briefing’ convocado para o passado dia 17, “por sugestão de alguns órgãos locais de comunicação social, cujas preocupações o GIC [Gabinete de Imagem e Comunicação] colocou à consideração da presidência”.

Segundo a mesma nota, Luís Albuquerque terá acolhido o sugerido, “sobretudo porque o município vivia ainda uma fase embrionária do estado de emergência, estando em plena fase de ponderação das medidas de contenção a adotar”.

Os jornalistas locais e regionais receberam um email a explicar e foram ainda avisados da “excecionalidade desta medida”.

“Ao final da tarde de hoje os caros colegas receberão uma ‘nota de imprensa’ do GIC, com as medidas tomadas em sede da reunião do executivo municipal, esperando que, num curto espaço temporal, possamos voltar às nossas rotinas de trabalho”, foi a mensagem que a autarquia enviou aos jornalistas, segundo indica o município no esclarecimento hoje divulgado.

A Câmara Municipal frisa que, “sabendo que as rotinas de trabalho terão forçosamente de mudar” perante a pandemia, procedeu a “alterações estratégicas na sua forma de comunicar com o exterior, sem prejuízo do trabalho da comunicação social”.

“Tal como previsto, e entretanto anunciado aos órgãos locais (e só “locais” porque os demais não demonstram interesse em marcar presença, embora sejam convidados para tal), os encontros com os senhores jornalistas serão retomados já na próxima segunda-feira, após a reunião da câmara municipal de 30 de março”, indica a nota.

O briefing será feito através de uma plataforma ‘online’ que permitirá o contacto direto entre os jornalistas e o senhor presidente da câmara.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) disse hoje que recebeu, nos últimos dias, várias denúncias de profissionais da comunicação social que estão a encontrar obstáculos ao seu trabalho, por “falta de colaboração das entidades oficiais”, de acordo com um comunicado.

Na nota, hoje divulgada, o SJ explicou que, “com a ativação dos planos municipais de emergência e proteção civil, muitos presidentes de Câmara assumiram o comando das operações, numa lógica de vedar a informação, ou, nalguns casos, de escolher os jornalistas a quem facultam dados, numa violação clara da lei e do direito à informação”.

O sindicato dá depois vários exemplos, como em Ourém, “quando confrontado pelos jornalistas com a necessidade de adoção de algumas medidas de segurança (distanciamento) nas conferências de imprensa semanais, o presidente da câmara decidiu simplesmente cancelar os encontros com jornalistas”, criticou o SJ.

Deixar uma resposta

Recentes de Atual

Ir para Início
%d bloggers like this: