fbpx

Comércio local da região de Santarém com “quebras entre os 40% e os 90%”

Em Empresas

O pequeno comércio dos concelhos de Santarém, Almeirim, Alpiarça, Benavente, Cartaxo e Chamusca registou quebras entre 40% e 90% nas últimas semanas, devido às medidas adotadas no âmbito da pandemia da covid-19, disse a associação de comerciantes.

David Dias, vice-presidente da Associação Comercial, Empresarial e de Serviços (ACES), que junta associados destes seis concelhos do distrito de Santarém, disse hoje à Lusa que, “à exceção da venda de produtos de primeira necessidade, todos os outros estabelecimentos encerraram, pelo que a situação em abril será ainda pior”.

“Na reunião que realizámos ontem por videoconferência registámos já dois associados do concelho de Santarém que deram baixa de membros porque decidiram encerrar a atividade”, disse.

A questão que a grande maioria de lojistas e microempresários coloca prende-se com o facto de, embora tenham feito descontos iguais aos realizados para os seus trabalhadores, estes têm direito a algum apoio neste período, mas os sócios-gerentes não, disse.

Teresa Gracias, sócia-gerente da Ornamenta, uma loja de venda de flores e plantas no centro histórico de Santarém, é uma das que se encontra nesta situação, questionando como vai sobreviver nos próximos tempos.

Sublinhando que estes pequenos negócios vivem, “há anos, na linha vermelha”, a microempresária, que possui ainda um pequeno alojamento local, salienta ser “irrealista pensar que tudo se resolve com a criação de linhas de crédito, pois, com o agravar da situação, nunca terão condições para os reembolsar”.

“Só se for a fundo perdido”, disse, contando como teve de fechar dois dias antes do estado de emergência (declarado em 18 de março), porque “já não vendia nada”, e como teve de deitar para o lixo as flores e plantas, porque este é um negócio em que “tudo é perecível”.

Por outro lado, todas as reservas para o pequeno alojamento que possui foram canceladas.

Ainda de porta aberta, o supermercado de José Wenceslau reduziu a faturação do seu pequeno estabelecimento comercial no centro histórico para metade.

Vendendo apenas à porta, sem permitir acesso ao interior do estabelecimento, confessa que, com o resto do comércio fechado, a maioria dos clientes desapareceu, só restando os poucos que ainda residem no centro histórico e os que começaram a fazer algumas encomendas para serem entregues em casa.

“Isto não é para ganhar, é para viver e para ajudar quem precisa”, afirmou, sublinhando que, agora, “é um dia de cada vez”, é “aguentar até ver no que dá”.

David Dias reforça que quem tinha fundo de maneio já o esgotou, questionando como vão viver aqueles que tiveram de fechar e que estão excluídos dos apoios.

Segundo afirmou, a ACES está a preparar um programa que quer apresentar às autarquias dos concelhos que abrange, para criar um sistema de apoio financeiro, ao mesmo tempo que vai canalizar o financiamento que tinha disponível no fundo para ações de formação para iniciar uma formação dirigida à digitalização das micro e pequenas empresas.

“Mesmo quando a quarentena acabar, o trabalho ‘online’ vai ser mais constante do que no passado”, disse, salientando que estão em curso contactos com a plataforma Marketplace para inserir aí empresas e lojistas da região.

Por outro lado, a ACES está a colaborar com os municípios na criação de plataformas ‘online’ de incentivo à aquisição de produtos no comércio local, o que, acredita, irá “estimular a economia circular em cada concelho”.

Sobre as medidas já anunciadas pelos municípios, como a isenção no pagamento de taxas fixas de água, saneamento e resíduos, David Dias considerou-as positivas, apelando a que o mesmo aconteça com empresas como a EDP.

Deixar uma resposta

Recentes de Empresas

Ir para Início
%d bloggers like this: