fbpx

Alcanena aprova voto de pesar em homenagem a António Lúcio Coutinho Vieira

Em Sociedade

A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, na sua reunião realizada a 15 de junho, a atribuição de um Voto de Pesar em homenagem a António Lúcio Coutinho Vieira, falecido a 4 de junho, aos 78 anos de idade.

Nascido em Alcanena, a 24 de janeiro de 1942, cedo se mudou para Torres Novas, tendo dedicado parte da sua vida à cultura e às artes, como poeta, escritor, dramaturgo, encenador e investigador.

Após os estudos académicos concluiu, anos mais tarde, um curso intensivo no Centro de Estudos Psicotécnicos, de Lisboa, e outro, de Relações Públicas, no INNP – Instituto Nacional das Novas Profissões.

Foi responsável, ao longo de vários anos, pelo Departamento de Comunicação e Relações Públicas da ex-Rodoviária Nacional.

Ocupou o cargo de vice-presidente do Cineclube de Torres Novas, o de diretor-encenador para as áreas de Teatro do Centro de Juventude e, posteriormente, da Casa de Cultura de Torres Novas.

Fundou e dirigiu o Grupo de Jograis da USTN – União dos Sindicatos de Torres Novas, o Grupo Cénico Claras, o TET-Teatro Experimental Torrejano e o Teatro Estúdio, nos quais, ao longo de vários anos, encenou textos de autores portugueses e estrangeiros.

Das várias montagens que assinou, destaca-se a estreia universal da obra do torrejano Jerónimo Ribeiro, “Auto do Físico” (séc. XVI), uma arrojada versão da “Antígona”, de Sófocles, e a célebre farsa de Luís de Sttau Monteiro, “A Guerra Santa”, que haveria de marcar politicamente, em Portugal, o Verão de 1977.

Adaptou obras teatrais, clássicas e contemporâneas e é autor de vários originais de teatro, alguns para o público infanto-juvenil.

Iniciou, na SPA – Sociedade Portuguesa de Autores, da qual é membro, as I Jornadas de Interpretação Teatral. A sua peça “Aldeia brava” (1982) viria a ser escolhida pela Sociedade Portuguesa de Autores, para representar o teatro português numa mostra de livros portugueses em Moscovo.

É autor de várias obras dramatúrgicas, nomeadamente: “A Flor Mágica do Sábio Constelação” e “A Ilha das Maravilhas” – ambas destinadas ao público infanto-juvenil – “O Vértice”, “Aldeiabrava”, “Ou a Odisseia”, “A 7ª Guerra Mundial”, “SOS-Sistema Otimizado de Saúde” e o monólogo “Eu, Sofredor Me Confesso” e, mais recentemente, a coletânea de pequenas peças “Pequeno Teatro Académico”.

Em 1979, o álbum “Amigos, Amigos”, de Paco Bandeira, onde Lúcio Vieira surge como autor de oito das doze letras, classifica-se em terceiro lugar nacional.

Foi chefe de redação do semanário “O Almonda”, publicou reportagens na revista “Domingo Magazine”, no diário “Correio da Manhã” e colaborou, ao longo dos anos, com vários jornais regionais, em Portugal e no Brasil.

Foi diretor de Estação, diretor de Programas e Realizador, em várias estações regionais de rádio. Colaborou, na Antena 1, com Paulo Medeiros.

Vencedor de vários festivais de canção de âmbito regional, obteve o 2.º lugar no Festival Nacional da Canção de Leiria (1987). Possui prémios de rádio (programa Auditório – RCL) e de teatro: “Aldeia brava” viria a obter o 2.º lugar, ex-aequo, no Concurso Nacional da ATADT – Associação Técnica e Artística de Descentralização Teatral (Portugal), vencendo o Festival de Teatro Português de Toronto (Canadá) em 1990.

António Lúcio Vieira foi distinguido, em 1997, com os diplomas de Mérito e de Louvor, pela Casa do Ribatejo, em Lisboa.

Em 2017, conquistou o 1.º prémio, com o seu livro “25 Poemas de Dores e Amores”, na 1.ª edição do Prémio Literário do Médio Tejo.

A Câmara Municipal de Alcanena, a 8 de maio de 2015, na cerimónia realizada no âmbito das comemorações do 101.º aniversário da Fundação do Concelho de Alcanena, atribuiu a António Lúcio Coutinho Vieira a Medalha de Mérito do Município de Alcanena – Grau Ouro – Personalidade de destaque na área cultural.

Leave a Reply

Recentes de Sociedade

Ir para Início
%d bloggers like this: