fbpx

Da estória do jovem cambaleante às estórias de Santarém

Em Opinião

Tem estórias que fazem uma história, uma narrativa, uma lição de vida!

Corria o mês de julho daquele “longínquo” tempo do ano de dois mil e dezassete. O dia corria bem, com brisa agradável, convidativo às sensações e à introspeção; a pedalada era pausada como que trocando diálogos com a bicicleta ou acariciando forças sobre o pedal…

Era daqueles momentos, como aqui escrevi em agosto, quando me bate uma certa saudade…

É bom sentir o frio no rosto, ouvir a fala do vento nas serras, pisar a neve na montanha, ouvir os pássaros, parar para apreciar as mariposas, as raposas de olhos de luz, as cobras procurando refúgio, as cabras querendo-te segredar amores, sentir os aromas da natureza que tudo nos dá e nada pede…”

Pedalava tranquilamente, no meu sentir, trazendo à memória a sentida história do velho carteiro. Já perto de A Calzada, a cerca de 36 km de Santiago de Compostela, encontro um jovem que caminhava cambaleando, completamente exausto e desfigurado, possivelmente desidratado, em “farrapos”. Parei a bike falei com ele, quis dar-lhe água e barritas, pedi-lhe para parar e dormir – nada aceitou –, só queria andar. Insisti e voltei a insistir, sem resultado…

A situação provocou-me um forte constrangimento. Na arena romana da minha consciência digladiavam-se as vontades de chamar um apoio médico preventivo ou de respeitar a vontade desse jovem. Todas as minhas insistências de ajuda tinham sido negadas, acabei por ceder ao seu desígnio dogmático de fé!

Segui, mas na arena continuaram os combates entre a razão e a fé alheia; o caminho frondoso amainou as iras contraditórias, espigueiros anunciaram o sustento, linguarejares em cafés testemunharam o galaico-português, sons familiares que percorreram gerações passaram os séculos escuros e nos chegaram vivos.

Nestes dias, três anos depois, pedalando um pouco por campos com as Caneiras à vista, partilho diálogos convosco como com os peregrinos a Santiago; pessoas que escutam experiências, partilham ideias, fazem perguntas, constroem o seu Caminho.

Construir o futuro da nossa terra deveria ser como construir o Caminho a Santiago: escutar experiências, partilhar ideias, fazer perguntas, construirmos o nosso Caminho. Mas não é – não deixam que seja!

Santarém ainda atravessa os séculos escuros do dogmatismo unilateral, cultural e “provinciano”, quase pós-feudal. A aparência domina sobre a essência, o controlo partidário domina sobre cidadania, a imposição domina sobre o ouvir e o chefe estende e remunera tentáculos para controlar empresas municipais.

Aos “ciclistas solidários” cabe o incentivo à cidadania e à razão, não cabe a indulgência plenária dos pecados de um político cambaleante! Santarém tem estórias que fazem uma história, uma narrativa, uma lição de vida comunitária!

Vítor Franco

Leave a Reply

Recentes de Opinião

Ir para Início
%d bloggers like this: