Exposição na Levada devolve a Tomar a importância do trabalho da pedra

Em Ribatejo Cool

A pedra, que é um dos símbolos maiores da resistência, é a metáfora perfeita para a forma como o Município de Tomar não deixou cair a cultura ao longo destes meses em que a pandemia nos trocou as voltas. Por isso, a exposição “Os sítios da pedra”, que abriu ao público este fim-de-semana e vai estar patente no Complexo Cultural da Levada até final do ano, marca de forma impressiva essa mensagem de esperança e de presença.

Mas esta mostra coletiva, que conta com trabalhos de 15 escultores, cinco desenhadores, dez fotógrafos e dois canteiros, é, muito mais do que isso, um relevante acontecimento artístico que volta a trazer o trabalho sobre a pedra para a ribalta numa cidade em que às vezes até nos esquecemos que é ele o nosso cartão de visita.    

A exposição, com múltiplas abordagens numa harmoniosa simbiose com os já de si fantásticos espaços da Levada, e que contará também com outros momentos culturais a decorrerem durante a sua permanência, pode ser visitada de quarta a sexta-feira das 14 às 17 horas, e aos sábados e domingos das 10 às 12 e das 14 às 17 horas, até 27 de Dezembro, com entrada pela Moagem. A entrada é livre, apenas condicionada às regras sanitárias em vigor.

Participantes:

Escultura – Abílio Febra, Adália Alberto, Beatriz Cunha, Diogo Rosa, Filipe Curado, João Sotero, Mário Lopes, Moisés Paulo, Ntaluma Makonde, Pedro Fazenda, Elsa Gonçalves, Ricardo Gigante, Sandra Borges, Stefano Baccari e Thierry Ferreira.

Desenho – Becerra Vitorino, Carmem Ferreira, Engrácia Cardoso, Luís Gomes e Inês Mourato.

Fotografia – António Delicado, Arlindo Homem, Becerra Vitorino, Carlos Silva, Carmem Vitorino, David Ligeiro, Diogo Rosa, Joaquim Santos, José Matias e Paulo Ferreira.

Cantaria – Carlos Dinis Ribeiro e Luís Rodrigo.

Leave a Reply