Bloco de Esquerda reúne com ativistas ambientais e avança com lei de bases do clima

Em Sociedade

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda reuniu ativistas ambientais do distrito de Santarém, este domingo, dia 13 de dezembro, no Centro Ciência Viva do Alviela – Carsoscópio, em Alcanena, para falar sobre os principais focos de poluição no distrito e discutir a Lei de Bases do Clima.

Estiveram presentes Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, Nelson Peralta, deputado na Assembleia da República e membro Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, Fabíola Cardoso, deputada na Assembleia da República eleita pelo distrito de Santarém, Francisco Cordeiro, membro da concelhia de Santarém, vários movimentos ambientalistas do distrito – Protejo, Basta, CLAPA, Por Este Rio Acima e Defesa do Rio Nabão – Nabão com Vida e outros ativistas ambientais .

“Com esta reunião foi possível reafirmar os graves problemas ambientais existentes no distrito de Santarém com particular destaque para a poluição das linhas de água, rios e ribeiros”, refere o comunicado do BE. “Os rios Tejo, Alviela, Almonda, Nabão e rio Maior têm sido vítimas da ganância e do desleixo de gente sem escrúpulos e dos interesses económicos de alguns em prejuízo da qualidade de vida das pessoas e do meio ambiente”, considera o Bloco.

Foi consensual, para todos os movimentos, a ausência de fiscalização dos potenciais poluidores, desde as indústrias poluidoras, à pecuária e à insuficiência do tratamento dos esgotos domésticos.

Segundo os participantes na reunião, a poluição é um problema global, tendo como origem o modelo socioeconómico, também assinalado pelos presentes que o modelo de poluidor/pagador só serve quem polui, pois em ultima instância compensa pagar para poluir e é o que se verifica em muitos casos no distrito de que é exemplo máximo a situação da Fabrióleo, em Torres Novas.

A situação do Eco Parque do Relvão também mereceu a atenção dos presentes a propósito da deposição dos resíduos perigosos e dos acessos ao Parque que são feitos pelas vias que atravessam as várias localidades colocando em perigo as populações.
Catarina Martins destacou a importância que a população jovem tem na luta climática, evocando ainda os ativistas ambientais que denunciaram estas situações e que são perseguidos com processos judiciais. “As empresas pretendem que eles tenham medo e que se calem, mas eles não têm tido medo. Têm sido uns heróis na defesa da saúde pública, na defesa do ambiente”, salientou Catarina Martins.

No próximo dia 7 de janeiro a Assembleia da República vai debater a proposta do Bloco de Esquerda sobre a lei de Bases do Clima.

Leave a Reply