Câmara de Tomar – “Poluição do rio Nabão preocupa e envergonha-nos a todos”

Em Sociedade

A Câmara de Tomar emitiu um comunicado sobre os” episódios de poluição do rio Nabão, que a todos nós preocupam e envergonham”. Aponta culpas às ETAR de Seiça e Formigais no concelho de Ourém.

O comunicado refere que “as câmaras municipais não têm competência legal, para intervir diretamente nas questões relacionadas com os rios fora de espaço urbano ou poluição em geral. Essa impossibilidade legal exprime-se no não se poder fiscalizar, não se poder para estes fins entrar em espaços privados e, óbvio, menos ainda quando as situações ocorrem no espaço territorial de outros concelhos. Talvez por isso são tantos os problemas no país, e há tantos anos em Tomar”.

“As câmaras podem e devem chamar atenção para o assunto, quer publicamente, quer pressionando as entidades competentes, e disponibilizar-se para ajudar desde logo com os seus meios – e isso é o que a Câmara tem feito de forma persistente”, adianta o comunicado.

A autarquia recorda as queixas que fez junto do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA) e Agência Portuguesa do Ambiente (APA), com recolha fotográfica, na larga maioria das ocorrências de descargas;

Salienta que apresentou queixa crime no Departamento de Investigação e Ação Criminal do Ministério Público de Tomar;

Diz ter reaizado iInúmeras diligências junto das entidades competentes, sobretudo APA e Ministério do Ambiente, nomeadamente várias reuniões e outras comunicações;

O Município manifesta disponibilidade em fazer parte de equipas de monitorização; disponibiliza recursos humanos e materiais, nomeadamente veículos, para as diligências necessárias no terreno;

A Câmara diz ter-se disponibilizado para aquisição de drones de vigilância ou outros equipamentos que se entendam relevantes. “Sabemos que os focos são diversos, tal como referido nas análises da APA, ou mesmo como evidências recentes demonstram, até partilhadas por autarcas de freguesia”, refere a autarquia.

A Câmara de Tomar salienta que “a tão falada ETAR de Seiça é (também a de Formigais), provavelmente um dos grandes responsáveis. Não é porque essas ETAR que servem Ourém e, no caso da de Seiça ter sido autorizada por outro executivo camarário nabantino que não o atual, que estamos de braços cruzados”, adianta o comunicado.

Já na última reunião de Assembleia Municipal, a presidente de Câmara voltou lembrar a verba necessária para a resolução do problema na ETAR e daquilo que está a seu montante: redes de condutas de separativos entre as águas pluviais e as águas residuais domésticas do concelho de Ourém. Obras na ordem dos 22 milhões de euros e que terão de ficar a cargo da Tejo Ambiente.

A Câmara de Tomar sublinha que “essa foi a principal razão para a constituição da Tejo Ambiente, a possibilidade de candidaturas a fundos europeus para resolver os problemas de saneamento ainda existentes nos vários concelhos, obras que carecem de muitos milhões de investimento”. “Sobre estes problemas de fundo – que como se referiu de início, a todos nós preocupam e envergonham – vamos continuar a fazer tudo o que esteja ao nosso alcance, convidando toda a população para, como tem feito cada vez mais, expressar também pelos meios que encontrar essa igual inquietação”, conclui o comunicado.

Leave a Reply