Somos livres, somos livres!

Em Opinião

A lindíssima canção de Ermelinda Duarte acompanha-me desde 1974 e com ela aquele sentimento fraterno que Abril nos trouxe. Para mim, “Somos livres” é uma das canções mais belas que conheço!

Somos livres” acompanhou a minha relação e o crescimento da criança minha filha que, qual papoila, foi livre de crescer num país livre.

É mais fácil explicar a liberdade a quem não conheceu a ditadura se recorrermos à estrofe:

Uma gaivota voava, voava,
Asas de vento,
Coração de mar.
Como ela, somos livres,
Somos livres de voar.”

Esta estrofe é extraordinária, ninguém aceita aprisionar uma gaivota! O seu voo é a sua natureza, “asas no vento” é naturalmente a sua interação com o mundo e o seu uso da liberdade; ninguém compreende que se possa impedir uma gaivota de voar! É uma imagem, um sentimento, um significado perfeito da liberdade!

Somos livres” é também uma canção da razão para quem o coração bate à esquerda. Uma razão forte, escorada nas entranhas do ser, no conhecimento de si que faz um ser rejeitar oprimir outro ser e rejeitar a guerra:

“Uma criança dizia, dizia
“quando for grande
Não vou combater”.
Como ela, somos livres,
Somos livres de dizer
.”

Somos livres” é uma canção sempre presente! Depois da filhota passei a cantá-la à neta, às sobrinhas netas… As crianças, como as papoilas, são o brilho dos nossos olhos, a esperança sempre renovada, o grito vermelho e livre de crescer:

Uma papoila crescia, crescia,
Grito vermelho
Num campo qualquer.
Como ela somos livres,
Somos livres de crescer.”

Somos livres” é uma canção de futuro e de comunidade! É uma canção de coragem e determinação, de conquista inacabada, de esperança:

Somos um povo que cerra fileiras,
Parte à conquista
Do pão e da paz.
Somos livres, somos livres,
Não voltaremos atrás.

Viva o 25 de Abril, viva a liberdade!

Oiça aqui a canção.

Vítor Franco

(deputado municipal pelo Bloco de Esquerda)

Leave a Reply