Santarém recebe a exposição Terra de Sonhos com fotos de Cristina García Rodero

Em Ribatejo Cool

O Jardim da Liberdade em Santarém recebe a exposição de fotografia “Terra de Sonhos” que mostra a singularidade e a assimetria do mundo rural da Índia. A exposição faz parte do Programa “Arte na rua”, da Fundação “la Caixa”, que procura transformar o espaço público num museu ao ar livre e levar ao público o trabalho de artistas de renome internacional, desta forma, contribuindo para democratizar o acesso à arte.

Através das fotografias realizadas pela fotógrafa Cristina García Rodero, a exposição pretende dar voz às mulheres das comunidades rurais de Anantapur (Andhra Pradesh) e destacar o seu poder na transformação das suas comunidades. Cristina García Rodero soube entrar neste mundo, fundir-se na alegria e no sofrimento daqueles que encobrem, com cor e graciosidade, o claro-escuro (chiaroscuro) da sua própria existência.

Shirvani no dia do seu casamento. Segura um saco cheio de arroz que irá oferecer à família do noivo e que simboliza a confiança em que à nova família não faltará comida. Foto: Cristina García Rodero.


A exposição “Terra de Sonhos”, organizada pela Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI, a Fundação Vicente Ferrer e a Câmara Municipal de Santarém, é composta por 40 fotografias e faz parte do programa “Arte na rua”, através do qual a Fundação “la Caixa” pretende aproximar a arte às pessoas fora do contexto habitual dos museus e das salas de exposições.
A exposição organizada pela Fundação “la Caixa”1, em colaboração com o BPI, a Fundação Vicente Ferrer e a Câmara Municipal de Santarém, vai estar patente ao público no Jardim da Liberdade até 10 de junho.

A exposição é inaugurada hoje com as presenças do presidente da Câmara Municipal de Santarém, Ricardo Gonçalves, da vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Santarém, Maria Inês Barroso, do Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, José Pena do Amaral e da Fotógrafa e Comissária da Exposição, Cristina García Rodero.

Cuidadora ajuda crianças a praticar exercícios para melhorar a sua mobilidade no Centro de Paralisia Cerebral de Bathalapalli. Foto: Cristina García Rodero.

“Terra de Sonhos. Cristina García Rodero”, uma exibição fotográfica que reflete a vida quotidiana dos habitantes de Anantapur, no Estado de Andhra Pradesh, uma das zonas mais pobres da Índia, onde vivem as comunidades mais desfavorecidas e vulneráveis do país.
Sendo a cultura e a arte ferramentas essenciais para promover o desenvolvimento dos cidadãos, a Fundação “la Caixa” procura contribuir para a sensibilização do público através do acesso a conteúdos artísticos, designadamente nas exposições itinerantes que organiza.
Em particular, com o seu programa “Arte na rua”, a Fundação “la Caixa” procura transformar o espaço público num museu ao ar livre e levar ao público o trabalho de artistas de renome internacional, desta forma, contribuindo para democratizar o acesso à arte.

Nandini B. é albina, estuda na Escola Primária para Pessoas com Deficiência Visual de Bukaraya Samudram, da FVF. Foto: Cristina García Rodero.


Cristina García Rodero foi convidada a documentar as condições de vida das comunidades de Anantapur, na Índia. Durante um mês e meio, García Rodero visitou hospitais, centros de acolhimento de mulheres vítimas de violência, oficinas, escolas e casas, realizando fotografias que dão voz a pessoas que são, muitas vezes, esquecidas: crianças, pessoas com deficiência e, especialmente, mulheres. Mães, camponesas, costureiras, noivas de diferentes religiões, professoras, enfermeiras e estudantes têm um papel de destaque neste projeto, pois representam um dos principais motores na transformação das comunidades de Anantapur.
A exposição entra no mais sensível e mágico do mundo feminino e na força e capacidade de superação das mulheres em Anantapur. Persistente e excessiva, Cristina García Rodero soube entrar neste mundo e fundir-se na alegria e no sofrimento daqueles que encobrem, com cor e graciosidade, o claro-escuro (chiaroscuro) da sua existência.

Tejasre e Prameela, de 12 e 10 anos, em atuação depois de terminarem as manifestações do Dia da Mulher, a 8 de março. O teatro é uma ferramenta educacional muito poderosa: neste caso, a peça pretende sensibilizar a população para o problema dos abortos seletivos com base no género. Foto: Cristina García Rodero.

O resultado deste projeto são 40 fotografias: uma seleção de imagens representativas das comunidades rurais da Índia, que cativam pela sua qualidade de composição e de vivência.
Através do seu trabalho, García Rodero propõe-nos uma forma particular de ver a Índia, um mundo complexo e fragmentado. Cada fotografia constrói um código visual coerente e, sobretudo, transcendente. A imagem que se transforma em arte.

Terra dos Sonhos – Arte na Rua.


Programa “Arte na Rua”


O programa “Arte na rua” iniciou-se em Espanha em 2006 e, desde então, tem dado a conhecer ao público artistas de referência da modernidade, como Auguste Rodin ou Henry Moore, assim como artistas contemporâneos, como Manolo Valdés, Igor Mitoraj ou, mais recentemente, o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado.
É neste quadro que a Fundação “la Caixa”, em conjunto com o BPI e em colaboração com a Câmara Municipal de Santarém, apresenta a exposição “Terra de Sonhos” que, depois de Beja, Cascais e Aveiro, chega agora a Santarém.


Cristina García Rodero, uma revolução no paradigma do olhar

Uma menina brinca com um cordeiro em Bukaraya Samudram, durante o festival de Teru. Foto: Cristina García

Cristina García Rodero é uma figura da fotografia mundial, tanto pela sua personalidade, como pelo impacto nacional e internacional do seu trabalho. Nascida em Puertollano (Ciudad Real) em 1949, licenciou-se em Belas Artes pela Universidad Complutense de Madrid. Foi a primeira espanhola a ser admitida na prestigiada agência de fotojornalismo Magnum. De entre a sua vasta obra, destaca-se a “España oculta”, que faz parte da Coleção “la Caixa” de Arte Contemporânea.
Recebeu inúmeros prémios, incluindo o “World Press Photo” em 1993, o “National Photography Award” em 1996, o “FotoPres la Caixa” em 1997, o “PhotoEspaña” em 2000, o Prémio Godó de Fotojornalismo em 2000, as medalhas de ouro do Mérito em Belas Artes, em 2005 e em Castilla-La Mancha em 2016 e, recentemente, o prémio “PhotoEspaña”, em 2017. É a primeira fotógrafa espanhola a ter um museu próprio, na sua cidade natal.

Leave a Reply