Psicóloga Filipa Filipe é a cabeça de lista do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Santarém

Em Autárquicas 2021

A Assembleia de Aderentes do Bloco de Esquerda de Santarém aprovou os dois primeiros nomes que farão parte da equipa que se candidatará à Assembleia Municipal de Santarém.


Filipa Filipe é a cabeça de lista à Assembleia Municipal. É psicóloga clínica e trabalha no município de Alpiarça num projeto de promoção do sucesso escolar em crianças e jovens (PIICIE LT). Foi cabeça de lista à atual concelhia do Bloco de Esquerda de Santarém e nas autárquicas 2017 foi candidata à Câmara Municipal de Santarém.


Para continuar a afirmar o trabalho que tem sido desenvolvido com apenas um deputado, a Assembleia de Aderentes aprovou Ana Eleutério como 2.º lugar da lista. É professora do 1.º Ciclo e integra a atual concelhia do Bloco de Esquerda de Santarém.
Ativista pelos Direitos Humanos, tem desenvolvido a sua intervenção no combate à discriminação das minorias nomeadamente LGBTI e Migrantes. Desenvolveu atividade autárquica em assembleias de freguesia no concelho de Almada.
O Bloco de Esquerda afirma em comunicado que “pretende continuar a ser a oposição e a afirmar-se como alternativa credível ao atual executivo PSD. O concelho de Santarém necessita de uma visão de desenvolvimento mais aprofundada, precisa de uma alternativa alicerçada na justiça social e climática”. Segundo o BE, “a prioridade nunca será a promoção de empresas “a metro” que não garantem condições de sustentabilidade ambientais e qualidade de vida das populações. A aposta será um novo modelo económico baseado no respeito pelo clima, pelas populações, pelos trabalhadores”.


“Uma gestão autárquica responsável não pode estar de costas voltadas para um dos seus recursos mais valiosos e de cariz identitário: o Tejo. Consequentemente, defendemos uma cidade que vive o seu rio, que crie condições para a sua fruição e exploração educativa, cultural e desportiva”, refere o comunicado do BE.
Para o Bloco, “a perda de população ativa e o desemprego torna urgente a fixação de jovens. É nossa ambição criar condições para fixar empresas sustentáveis, promover um trabalho participativo e articulado entres os polos de ensino superior e as escolas e restantes instituições que visam o desenvolvimento do município, criar condições de habitabilidade e promover rendas sociais justas”.
O BE defende que “Santarém tem que ser um concelho inclusivo!” E por isso, o BE diz que lutará “pela afirmação da igualdade de género e pelo fim da violência doméstica, as políticas públicas autárquicas serão espaço de afirmação das minorias nomeadamente população migrante e comunidade LGBTI que têm que ter garantidos os seus direitos e o exercício pleno e livre da sua cidadania e identidade”.
A decisão da concelhia será objeto de ratificação pela Distrital do Bloco de Esquerda de Santarém.

Leave a Reply