fbpx

Morreu Carlos Oliveira, o Chona do Teatrinho (17/8/1948 – 21/5/2021)

Em Sociedade

Carlos Alberto da Silva Oliveira, carinhosamente tratado por Chona, faleceu esta noite no Hospital de Torres Novas aos 73 anos de idade. O popular ator, encenador, autor e dinamizador cultural de Santarém estava gravemente doente desde o início de maio com uma pneumonia bilateral, que o levou a ser internado no Hospital de Santarém, agravada depois com sucessivas complicações que obrigaram ao internamento no serviço de Nefrologia do Hospital de Torres Novas.

Carlos Oliveira, ex-bancário de profissão, dedicou toda a vida ao teatro, como ator, encenador, produtor, dramaturgo, dirigente associativo… Iniciou-se ainda estudante, ao lado do ator Mário Viegas, ainda na escola e depois no Teatro Taborda do Círculo Cultural Scalabitano. Participou e dinamizou vários grupos de teatro e inúmeros projetos, entre os quais a Companhia de Teatro de Santarém, projeto de teatro profissional que animou a cidade nos anos 80.

Participou na criação de uma dezena de grupos de teatro, destacando-se o Teatrinho de Santarém, projeto de teatro para a infância e juventude, onde se iniciaram várias gerações de jovens atores de Santarém, e que veio a dar origem ao FITIJ – Festival Internacional para a Infância e Juventude e a Bienal de Palhaços.

Dinamizador do movimento associativo foi fundador da APTA – Associação Portuguesa do Teatro de Amadores, e, a nível regional, e da Associação de Teatro de Santarém – ARSTA que reuniu mais de meia centena de grupos do distrito de Santarém.

Além do seu envolvimento na organização do FITIJ, Carlos Oliveira dava aulas de teatro na Universidade da Terceira Idade de Santarém, e era um dos impulsionadores e participantes do Grupo Cénico da SRO – Sociedade Recreativa Operária de Santarém, o mais recente grupo de teatro de Santarém, formado em 2020.

Também no ano passado, Carlos Oliveira foi um dos dinamizadores do Grupo Coordenador do Centenário de Bernardo Santareno em Santarém, que congregou dezenas de associações, escolas, grupos de teatro, autarquias e personalidades ligadas ao dramaturgo scalabitano, e que se traduziu na realização de cerca de 50 eventos e a participação de mais 40 artistas e grupos. A facilidade em fazer amigos e esta capacidade de constituir equipas, congregar e unir pessoas e grupos em torno de projetos foram caraterísticas marcantes desta personalidade notável de Santarém.

3 Comments

Publique o seu comentário

Recentes de Sociedade

Ir para Início
%d bloggers like this: