Quando um líder revolucionário, posto à prova, lembrou a verdade da luta do PAIGC

Em Leituras

Esta edição revista e comentada de uma obra basilar para entender o pensamento e ação de Amílcar Cabral, edição conjunta de Monde Diplomatique e Outro Modo Cooperativa Cultural, Análise de alguns tipos de resistência, 2020, aparece muito bem contextualizada por dois investigadores que procedem a uma leitura analítica sobre tudo o que Cabral disse no Seminário de Quadros de novembro de 1969, em Conacri, dirigindo-se a um conjunto bastante expressivo de participantes, são eles Carlos Cardoso e Raúl Mendes Fernandes.

Vale talvez a pena, por isso mesmo, sintetizar as suas observações. Era um período de graves tensões internas dentro do PAIGC, a direção política e o seu líder encontravam-se numa situação de grande fragilidade, Cabral era contestado, havia o diferendo entre cabo-verdianos e guineenses, rumores e intrigas, o inevitável cansaço dos combatentes devido à longa duração da guerra. E as inovações introduzidas pelo novo governador, António Spínola: campanha de guerra psicológica devastadora, arvorando a causa do desenvolvimento sempre em prol dos guinéus; a africanização da guerra formando uma tropa de elite, os Comandos, seriam o embrião das Forças Armadas da Guiné independente; a propaganda para uma Guiné autónoma, em que as etnias seriam ouvidas regularmente no Congresso do Povo, tudo numa estreita aliança com o chefado tradicional e sobrepondo-se a qualquer tensão religiosa, as peregrinações a Meca ganham insistência. Tudo era difundido e ouvido tanto em Conacri como no mato.

Amílcar Cabral

Para rebater quaisquer dúvidas sobre a natureza da luta do PAIGC, Cabral organiza um conjunto de exposições visando a consciencialização dos militantes do PAIGC, dentro de uma lógica que os participantes se iriam transformar em multiplicadores. Como observam estes dois investigadores, a escolha dos participantes procurava uma combinação de duas gerações. “Amílcar Cabral tinha uma conceção de luta de longa duração. Esta conceção contrariava as expetativas dos chefes de guerra que ambicionavam uma guerra de curta duração. O Seminário de Quadros foi, por todas as razões apontadas, um fórum estratégico crucial e as intervenções sobre a forma de resistência podem ser consideradas o seu núcleo central”. O que se apresenta nesta edição é uma tradução para português de um conjunto de palestras em crioulo proferidas entre 19 e 24 de novembro.

Ressalta, antes de mais, a assombrosa comunicação pedagógica, com conceitos apresentados de forma simples e sempre com exemplos, nunca descurando a complexidade da explicação. A ideia de transformação histórica longa ligada à luta prolongada tinha a ver com a estratégia de longo prazo, Cabral não tinha ilusões que era imperioso haver tempo para a transformação social, ele próprio ao longo de toda a sua narrativa aponta sem ambiguidades múltiplos erros no seio dos militantes do PAIGC, é severo com quem rouba, com quem maltrata, com o quadro das superstições, por exemplo. “Cabral chamava a atenção dos seus camaradas para a necessidade de ter sempre em mente a situação da luta em cada momento. Era, por assim dizer, o bê-á-bá da conduta do militante, tal como ele o concebia”. E daí a perspetiva de “pensar para agir e agir para poder pensar melhor”, uma consigna positiva para estimular o trabalho político, a luta contra o analfabetismo, a intervenção sem medo nos debates, o respeito pela dignidade da mulher e temos depois o corolário lógico de que a resistência é política, é armada, é económica, é cultural, faz apologia a pensar pelas próprias cabeças, a privilegiar a independência de pensamento e as redes de participação. E concluem: “Ele continua a fornecer instrumentos úteis para a compreensão de problemas de diferente natureza (política, económica e cultural) enfrentados hoje pelas periferias ou semiperiferias, fios de esperança indispensáveis aos muitos desafios que o atual processo de globalização propõe para as sociedades.

Em torno do conceito de resistência, Cabral vai constituir um poliedro, lança advertências que continuam prementes, muito provavelmente descuradas pelas elites atuais: “não podemos aceitar na nossa terra os abusos e os privilégios de grupos ou grupinhos, se de facto queremos libertar o nosso povo. Não vãos libertar o nosso povo só dos colonialistas, mas de tudo quanto o prejudique no caminho do progresso. Temos de eliminar a ignorância, a falta de saúde, e toda a espécie de medo, gradualmente. A maior pressão que existe sobre um povo é o medo. Medo de passar fome, de não ter trabalho, de doenças, de pancada, de ser deportado para S. Tomé, ser preso injustamente. Mas ainda mais, medo de curandeiros, dos que deitam sortes, da conversa dos mouros, do irã, do mato escuro, dos raios, dos relâmpagos. Um povo que tem medo é um povo escravo”. Define a resistência política, há que acabar com todos os abusos, mas também isolar o inimigo. Afirma-se contra a brutalidade e os horrores da guerra gratuitos: “No começo da nossa luta, houve camaradas que nos sugeriram cometer certas atrocidades, mas recusámos. Na nossa luta não há dessas coisas que se passaram noutras terras em África, como matar mulheres e crianças brancas só porque são brancas. Queremos fazer uma resistência política para servir o nosso povo, não queremos que o nosso povo seja sanguinário”. Dirá ao longo de todas as suas intervenções verdades muito incómodas, faz permanentemente apelo aos processos de autossubsistência, fazer-se o reconhecimento daqueles que trabalham a terra e simultaneamente combatem, exige um pleno respeito pela forma como se trata a ajuda internacional, desde a gasolina aos medicamentos, quando necessário ele próprio faz autocrítica, um exemplo: “Um erro grave que cometemos na nossa terra foi não cobrar imposto a ninguém depois de a sua área ser libertada. Isso foi um erro. Nós devíamos ser capazes de, depois de libertar uma área como Cubucaré, estabelecer imediatamente o imposto que o povo devia pagar. O imposto, não sendo em dinheiro, podia ser em produtos, para o nosso povo não perder o hábito de pagar impostos e não pensar que, quando tomarmos a nossa terra, não vai haver impostos. Não há terra nenhuma que possa avançar sem pagar impostos”.

É um permanente apelo à mobilização, recorre a fórmulas de orgulho cultural, adianta que a luta que se trava é ela própria o sedimento de uma cultura nova, lembra aos militantes que essa cultura deve desenvolver-se numa base científica, sem crendices. Apela à pontualidade, à discussão, exalta a língua portuguesa. E espraia-se sobre a resistência armada, não poupa as tentações do neocolonialismo e o ponto mais elevado desta pedagogia é estar sempre a apontar para o futuro, demorasse a luta o tempo que fosse necessário, que todos advertissem as populações e multiplicassem a esperança que se estava a construir a História do nosso tempo, havia que manter acesa a esperança de que amanhã se irá viver no progresso.

Repete-se que é um documento basilar para entender o pensamento e a liderança de Cabral e como observam neste livro os seus comentadores é bem patente a pertinência atual da sua narrativa tal como ele expôs em Conacri, em tempos particularmente turvados. De leitura obrigatória para quem queira entender o que foi o sonho daquele PAIGC que morreu com o seu líder carismático.

Mário Beja Santos

Leave a Reply