Vila Franca e Xira acolhe um dos maiores projetos residenciais da Grande Lisboa

Em Empresas

Um dos maiores projetos residenciais da região promovido pelo consórcio luso-brasileiro Estrutural Group e Rio Capital resulta de um investimento de 14 milhões de euros. 

A nova tendência de habitar em consequência da pandemia da Covid-19 é real e a prova está no sucesso de vendas do empreendimento Vila Viva, em Vila Franca de Xira, com vista para o rio Tejo, a poucos passos do centro histórico e junto à A1.

De construção nova, com a 1.ª fase nos acabamentos finais e a 2.ª em obras, os futuros moradores procuraram a casa e o local que lhes proporcionasse o espaço, tranquilidade e qualidade de vida para poderem conciliar o trabalho com a família e a possibilidade de terem as condições de vida ideais para o teletrabalho, refere a nota da empresa promotora. A maioria das famílias optaram por adquirir mais uma divisão para o escritório. As novas exigências que trouxe a pandemia para as casas portuguesas foram factores decisivos para que a primeira fase de 45 apartamentos esteja 100% vendida.

Para a segunda fase com mais 40 apartamentos, mais de metade foi vendida ainda no pré-lançamento. O ritmo de vendas superou a expectativa dos promotores, que acreditam que o lançamento da segunda fase irá finalizar o stock.

“Para os que perderam a oportunidade de comprar na primeira fase, há agora uma nova chance, mas não será por muito tempo”, explica Carlos Silva, COO do Grupo Estrutural, acrescentando ainda que “com o fim das unidades da primeira fase, e a constante procura, decidimos abrir as vendas da segunda fase mesmo no meio do segundo confinamento. O resultado foi que, de janeiro a abril deste ano, já tínhamos 15 CPCVs assinados. Essa performance deixou-nos com apenas metade do stock disponível, que deve esgotar nas próximas semanas. A combinação de uma excelente localização, num projeto moderno e a preços acessíveis, acabou por encontrar muita sinergia à procura que foi intensamente potencializada pelos novos anseios de encontrar conforto em casas novas, espaçosas e dentro de condomínios com áreas verdes”.

Esta aposta dos promotores imobiliários Estrutural Group e Rio Capital representa um investimento de 14 milhões de euros naquele que é o maior empreendimento residencial da região.

No total são 85 apartamentos de T1 a T4, todos com varandas e uma vista privilegiada para o Rio Tejo e para a Serra. O Vila Viva está inserido num condomínio privado, com portaria, estacionamento coberto, elevadores, arrecadação, espaços verdes, passeio pedonal, ginásio ao ar livre, salão de festas e jardim infantil. Tudo isso acompanhado por um projeto arquitetónico contemporâneo de linhas leves e futuristas.

Projeto residencial para portugueses

Conscientes da escassez de oferta de habitação nova para os portugueses a preços acessíveis, os promotores apostaram neste projeto como um novo conceito residencial para essa procura. O objetivo passa pelo desenvolvimento de produtos para o mercado interno, proporcionando aos portugueses ou residentes que vivem e trabalham na região o acesso a um imóvel com qualidade e bem localizado.

80% dos compradores do Vila Viva são portugueses e a média de idade ronda os 38 anos. 51% dos clientes são solteiros e jovens noivos, já os casados representam 42%. 20% vive em Lisboa e Sintra, mas quase metade trabalha no centro de Lisboa. Números identificativos que a qualidade de vida para muitos casais volta a ser em zonas envolventes aos grandes centros e com boas acessibilidades.

imovel indep vila franca xira portugal

“Estamos otimistas com a dinâmica do mercado. O teletrabalho veio de facto influenciar a escolha na compra de uma casa. O interesse dos compradores passou por adquirirem uma tipologia que contemplasse um escritório, assim o T3 foi o mais procurado. Além de que têm a vantagem de morar numa zona tranquila com uma vista sobre o rio Tejo e a Serra e estão a cinco minutos do centro urbano. Sendo um empreendimento de construção nova e dirigido às famílias portuguesas, o Vila Viva está a ser uma resposta à lacuna que existia no mercado”, revela Júlio Luz, CEO da Rio Capital.

imovel indep vila franca xira portugal

A segunda fase que está em construção mantém os preços acessíveis no mercado atual (2.000 euros/m2).

O empreendimento promove a integração entre as áreas internas e suas varandas, que podem chegar aos 30m². Os apartamentos do piso 0 possuem terraços em relva sintética com até 130 m². As áreas são generosas independente da tipologia, os apartamentos T2 possuem salas com mais de 40m² e quartos que chegam aos 18m². E para os que gostam de usufruir ainda mais o ar-livre sem sair do edifício, o condomínio proporciona extensas áreas verdes com passeio pedonal.

imovel indep vila franca xira portugal

A escolha de Vila Franca de Xira também foi uma decisão pensada. Com uma história e riqueza cultural, patrimonial, com o rio Tejo aos seus pés e uma excelente localização e acessibilidade para Lisboa, estando a apenas 12 min de comboio da Estação do Oriente.

A finalização das obras da primeira fase está prevista para o final do verão e da segunda fase está para Março de 2022.

imovel indep vila franca xira portugal

Oportunidade para quem quer comprar nova construção

O projecto está direcionado para a família jovem portuguesa, onde os compradores procuram morar num local e num empreendimento que promove a qualidade de vida e ainda a oportunidade de um investimento com grande potencial de valorização.

imovel indep vila franca xira portugal

São fundamentalmente dois fatores que evidenciam essa tendência. Em primeiro lugar, uma boa gestão da obra. Foi possível tirar vantagem da escala do projeto (85 frações em mais de 15mil m2 de área construída) antecipando compras e negociando contratos de subempreitada que acabaram por não ser tão impactados pelo vertiginoso aumento dos custos de produção dos últimos meses. Segundo Instituto Nacional de Estatística (INE), em publicação do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova em 07/06/21, o preço de materiais de construção civil teve um aumento 5,9% em termos homólogos ao ano anterior e os custos de mão-de-obra em Portugal subiram cerca de 9%. A tendência é que os índices continuem a subir nos próximos meses e que isso se intensifique em 2022. Isso significa investir antes de uma provável subida dos preços no mercado de habitação.

Em segundo lugar, o crédito. Por ser um projeto rápido, os clientes conseguem, mesmo ainda na fase de obra, o comprometimento das instituições financeiras no apoio à compra da casa no Vila Viva, garantindo o crédito e permitindo uma alavancagem na aquisição com condições muito atrativas.

Leave a Reply