Álbuns de José Afonso lançados em 1968-1981 começam a ser reeditados em outubro

Em Ribatejo Cool

 Os 11 álbuns de José Afonso, lançados originalmente entre 1968 e 1981, começam a ser reeditados em outubro deste ano, anunciou hoje a editora Lusitanian Music, no dia em que o músico cumpriria o 92.º aniversário.

O primeiro álbum a ser reeditado, “sob o novo selo Mais 5”, de acordo com a editora, num comunicado hoje divulgado, será “Cantares do Andarilho”, que estará disponível em formato CD e nas plataformas digitais em 01 de outubro.

Seguem-se “Contos Velhos Rumos Novos”, em 29 de outubro, e “Traz Outro Amigo Também”, em 26 de novembro. “Os LP (vinil) dos três álbuns serão editados a 26 de novembro em consequência dos atrasos globais no fabrico deste formato”, refere a editora.

Os três álbuns estão em pré-venda, no ‘site’ das lojas FNAC, e “o próximo ciclo editorial continuará em 2022”.

O projeto de reedição das obras “prevê também uma sequência de edições de ‘singles’ nas plataformas digitais que irão anteceder a edição de cada álbum, de forma a divulgar as canções de José Afonso junto de novos públicos”.

Em abril deste ano, num comunicado enviado à agência Lusa, a família de José Afonso revelou, no 25 de Abril, o lançamento digital do ‘single’ “Coro da Primavera”, que marcava o regresso às edições discográficas da obra de José Afonso.

“A família de José Afonso decidiu, em parceria com a editora Lusitanian Music, avançar com a edição dos 11 álbuns de José Afonso originalmente editados entre 1968 e 1981, mas indisponíveis há vários anos, assumindo a importância cultural de disponibilizar esta música ao mundo”, lia-se no comunicado.

José Afonso lançou em 1968 o seu disco de estreia na editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, sob o título “Cantares do Andarilho”, que incluía temas como “Natal dos Simples” e “Vejam Bem”.

Até 1981, editou uma série de álbuns que se tornaram marcos da música portuguesa, desde “Contos Velhos Rumos Novos” (1969) a “Fados de Coimbra e Outras Canções” (1981), passando por “Traz Outro Amigo Também” (1970), “Cantigas do Maio” (1971), “Eu Vou Ser Como a Toupeira” (1972), “Venham Mais Cinco” (1973), “Coro dos Tribunais” (1974), “Com as Minhas Tamanquinhas” (1976), “Enquanto há Força” (1978) e “Fura Fura” (1979).

Os 11 discos já tinham sido alvo de reedição pela Orfeu, entre 2012 e 2013, para assinalar os 25 anos da morte do compositor.

Na altura, os 11 álbuns foram restaurados e remasterizados digitalmente pelo engenheiro de som António Pinheiro da Silva, e a edição contava com novos textos que contextualizam o momento em que foram feitos, no percurso de José Afonso.

Em setembro do ano passado, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) abriu o processo de classificação da obra fonográfica do músico José Afonso por considerar que representa “valor cultural de significado para a Nação”.

De acordo com o anúncio então publicado em Diário da República, foi determinada a abertura do procedimento de classificação de um conjunto de 30 fonogramas da autoria do compositor e intérprete José Afonso, bem como de 18 cópias digitais de ‘masters’ de produção de um conjunto de cassetes gravadas pelo autor e de um conjunto de entrevistas.

Esta foi a primeira vez que a DGPC iniciou um processo de classificação de uma obra fonográfica, revelou o Ministério da Cultura, acrescentando que ajudará a “consolidar informação relativa à obra gravada, publicada ou não, do artista”.

A decisão surgiu um ano depois de o parlamento ter aprovado um projeto de resolução do Partido Comunista Português (PCP) que recomendava ao Governo a classificação da obra de José Afonso como de interesse nacional, com vista à sua reedição e divulgação.

Em abril de 2020, também a Associação José Afonso (AJA) reuniu mais de 11 mil assinaturas numa petição pública que apelava à mesma decisão.

Na altura, em nota divulgada à Lusa, a família de José Afonso, detentora dos direitos da obra musical, manifestava o apoio à classificação da obra e recordava que estava a “colaborar diretamente com o Ministério da Cultura, desde 2018”, para que se desenvolvesse o processo.

Ainda em 2019, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmava publicamente que não foi por falta de vontade que o processo de classificação não se iniciou mais cedo, mas porque não existia acesso às ‘masters’ e ao conteúdo das gravações originais de José Afonso.

Quando foi lançada a petição de pedido de salvaguarda, o presidente da AJA, Francisco Fanhais, explicava que se estava perante “um imbróglio jurídico”, porque a Movieplay, a editora que detém os direitos comerciais da obra de José Afonso, estava “em situação de insolvência” e não se sabia “do paradeiro dos ‘masters’ das músicas gravadas pelo Zeca Afonso”, comprometendo a sua reedição.

José Afonso nasceu em 02 de agosto de 1929 em Aveiro e começou a cantar enquanto estudante em Coimbra, tendo gravado os primeiros discos no início dos anos 1950 com fados de Coimbra, pela editora Alvorada, “dos quais não existem hoje exemplares”, refere a AJA na biografia oficial do músico.

Autor de “Grândola, Vila Morena”, uma das canções escolhidas para senha do avanço das tropas, na Revolução de Abril de 1974, José Afonso morreu em 23 de fevereiro de 1987, em Setúbal, de esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada cinco anos antes.

Hoje, dia em que José Afonso completaria 92 anos, a RTP1 irá exibir, às 21:00, o documentário “José Afonso: Traz Outro Amigo Também”, da autoria de Nuno Galopim e Miguel Pimenta.

“Através dos arquivos da Rádio e Televisão da RTP, entre entrevistas, atuações e reportagens, José Afonso fala-nos de si, das suas canções e de como estas refletiram as suas ideias. Juntando parceiros e nunca perdendo uma noção de rumo este é um percurso central na história da música portuguesa ainda hoje vivo e pungente, tanto pelas memórias das gravações do próprio José Afonso como pelas versões que outros continuam a criar a partir da sua obra”, refere a RTP em comunicado.

Depois do documentário, às 22:00, a RTP1 apresenta o concerto “O Cantinho do Zeca”, com direção artística do músico Agir.

“Num espetáculo inédito, a partir do Teatro Capitólio, vários convidados especiais recriam o legado maior do ‘cantautor’, dando-lhes novas vozes, mas sempre mantendo a essência de cada canção intemporal. Com um cenário especialmente concebido para o efeito e uma autêntica ‘superbanda musical’, é a ‘geração-filha’ de Zeca Afonso que o traz à nossa memória, com momentos muito surpreendentes”, lê-se no comunicado.

Publique o seu comentário