Domingo, Junho 16, 2024
InícioLegislativas 2022Fabíola Cardoso defende rio Tejo limpo e livre de barragens
banner-complexo-aquático

Fabíola Cardoso defende rio Tejo limpo e livre de barragens

Fabíola Cardoso, candidata à Assembleia da República do Bloco de Esquerda pelo círculo eleitoral de Santarém, reuniu ontem, domingo 16 de janeiro, com o movimento PROTEJO. O movimento ambientalista foi representado por Paulo Constantino e Ana Silva. A reunião decorreu na Ribeira de Santarém, junto ao Rio Tejo.

A candidata fez um balanço do trabalho de defesa do Rio Tejo e de toda a sua bacia hidrográfica ao longo do mandato, na Assembleia da República, contra a poluição e em defesa de caudais ecológicos e rios livres. Ficou também a conhecer as perspetivas futuras do PROTEJO, bem como os seus projetos ecológicos para o futuro a médio prazo.

Para a bloquista, “salvaguardar os nossos rios é determinante para salvaguardarmos a sustentabilidade da vida na Terra e a biodiversidade que a suporta”. A candidata esclarece que “a prioridade do Bloco é assegurar um Rio Tejo livre, com objetivo de restabelecer os equilíbrios ecológicos”, acrescentando que há “muito trabalho a ser feito na remoção de obstáculos, como açudes, em toda a extensão do rio, mas também na despoluição e naturalização do Nabão, do Almonda, do Alviela ou do Rio Maior”.

Fabíola Cardoso assegurou que “as práticas agrícolas intensivas e ultra-intensivas causam enormes danos, pois recorrem à elevada utilização de agroquímicos, que têm um peso considerável na emissão de gases com efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global e todas as consequências conhecidas”.

Afirmou ainda que os problemas ambientais e de saúde pública causados pelas indústrias da suinicultura, na contaminação das linhas de água, solos e ar, também não podem continuar a ser ignorados.
A candidata do Bloco por Santarém criticou “a cativação dos fundos europeus por parte dos grandes empresários agrícolas, o que impede um real investimento em modelos de agricultura que privilegiem a biodiversidade, através de práticas ecológicas e produções biológicas, essenciais para o desenvolvimento rural “.
Fabíola Cardoso recordou como “triste, a autorização do governo aos estudos para a expansão em 300 mil hectares de área regada no Ribatejo, Oeste e Setúbal, através da construção de mais de 10 barragens no Tejo e afluentes”. A candidata à Assembleia da República quer, ainda, ver em prática algumas das propostas do Bloco de Esquerda, como a devolução da autonomia às Administrações de Região Hidrográfica; a promoção de culturas menos exigentes, tendo em conta a conservação da biodiversidade e dos recursos hídricos; a criação do Plano Nacional de Restauração Fluvial, tendo em vista a remoção de açudes e barragens, bem como a recuperação da qualidade da água e dos habitats; a revisão da Convenção de Albufeira para fixar caudais mínimos diários; e a criação de um Plano de Gestão da Bacia Hidrográfica do Rio Tejo à escala ibérica, a fim de cumprir a Diretiva Quadro da Água”.

 

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem

Mais Ribatejo _ PopUp _ BolsaRecrutamentoULSETEJO 

banner fna24