Domingo, Fevereiro 25, 2024

Oferta

Receba o ebook Leituras Inextinguíveis Vol.II

InícioMundoONU alerta para a saída de 6 milhões de pessoas da Venezuela,...
banner-mes-da-enguia-salvaterra-de-magos

ONU alerta para a saída de 6 milhões de pessoas da Venezuela, entre os quais doentes

A crise na Venezuela agravou a saúde de um jovem que sofria de esquizofrenia e que para continuar com o tratamento teve que emigrar, tal como fizeram outros seis milhões de venezuelanos que nos últimos anos abandonaram o país, segundo a ONU.

Num comunicado, a ONU conta o caso de um jovem para ilustrar que nos últimos anos mais de seis milhões de venezuelanos abandonaram o seu país, fugindo da crise política, económica e social.

“Leo Medina foi diagnosticado nos anos 90 e tinha a doença sob controle, mas ficou sem tratamento, nos últimos anos, por causa da escassez de medicamentos, de alimentos e dos efeitos das crises na economia venezuelana. A situação só melhorou após família se refugiar na Guatemala”, explica a ONU num comunicado de imprensa.

O documento explica que “o adolescente Leo Medina foi diagnosticado com esquizofrenia, recebia os medicamentos e mantinha a doença controlada, mas com a crise política agravada no governo de Nicolás Maduro, foi ficando mais difícil continuar o tratamento”.

“Faltavam medicamentos, alimentos e sobravam dívidas. Os pais de Leo, Héctor e Yesmaira, foram cortando as doses que se resumiam a quatro comprimidos por dia. Com os medicamentos no fim, começou a ter várias crises, entrou em depressão e perdeu o trabalho”, explica o ONU.

O jovem “recorda que perdeu a alegria de viver na Venezuela, assim como outros 6 milhões de venezuelanos que tiveram que fugir para o exterior nos últimos anos, deixando tudo para trás”, sublinha.

Segundo a ONU “quando os pais de Leo conseguiram escapar da crise para a Guatemala, o jovem conta que passou um ano e meio numa situação de saúde mental precária. Ali, no novo país, os médicos decidiram reexaminar o caso e alteraram o diagnóstico de esquizofrenia para desordem bipolar”.

Hoje, Leo Medina, tem 36 anos, e recorda que após iniciar o tratamento a sua vida começou a melhorar. A “família, que já era empresária na Venezuela, abriu um novo negócio no país centro-americano, uma microempresa de doces venezuelanos, na garagem da casa”, nas proximidades da Cidade de Guatemala.

Segundo o documento “a saúde mental de refugiados é um tema ainda pouco explorado em debates internacionais” e “os traumas vividos por crianças e jovens obrigados a fugir de suas casas por causa de conflitos e guerras deixam marcas por um longo espaço de tempo”.

“Um outro drama humano são os tratamentos interrompidos contra doenças graves em momentos de crises políticas e mudanças abruptas na economia e no tecido social de nações inteiras”, explica o ONU.

Segundo a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), “as pessoas deslocadas por conflitos, violência, guerras e perseguições têm mais dificuldade para recuperar de problemas de saúde mental”.

Em 2019, um estudo da publicação especializada The Lancet mostrou que o “fardo das desordens mentais é mais pesado em pessoas que vivem em conflito”.

Entretanto, uma pesquisa da Plos Medicine sublinha que os “refugiados adultos e requerentes de asilo têm taxas mais altas e persistentes de stresse pós-traumático e depressão”

A ACNUR está a atuar para tornar o apoio psicossocial e a saúde mental parte integrante do seu trabalho.

banner-jornadas-gastronomia-Coruche

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem