Quarta-feira, Junho 12, 2024
InícioEmpresasEntrevista - Carlos Silva responsabiliza Governo por coesão social
banner-complexo-aquático

Entrevista – Carlos Silva responsabiliza Governo por coesão social

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defende que cabe ao Governo socialista travar a contestação social, não impondo mais sacrifícios aos portugueses, de modo a garantir a coesão social.

“Cabe ao Governo evitar uma situação de rotura social. Ou o Governo percebe que está perante uma eventual convulsão social e toma medidas que deem aos trabalhadores a possibilidade de respirarem de alívio, ou então temos realmente um problema”, disse o sindicalista em entrevista à agência Lusa.

Carlos Silva, que deixa a liderança da UGT no próximo congresso da central, que se realiza sábado e domingo em Santarém, afirmou que as centrais sindicais portuguesas estão disponíveis para mobilizar os trabalhadores, caso estes voltem a ser sacrificados.

“Acho que os trabalhadores vão estar disponíveis [para lutar], porque um Governo de maioria absoluta implica responsabilidade absoluta e essa responsabilidade implica dialogar com todos”, disse à Lusa.

Carlos Silva alertou para as consequências da guerra na Ucrânia, tanto para Portugal como para a Europa, nomeadamente a subida dos preços de bens de primeira necessidade, e consequentemente o agravamento das condições de vida dos trabalhadores e da população em geral.

O problema é que há muitos anos que o país vive em sacrifício”, afirmou, considerando que os trabalhadores portugueses não vão aceitar a imposição de mais sacrifícios.

O Governo do PS tem obrigação, enquanto Governo de esquerda, de assegurar a coesão social“, defendeu Carlos Silva.

No entanto, para o secretário-geral da UGT, é ainda tempo de dar o benefício da dúvida ao novo Governo, que tomou posse recentemente.

Os primeiros 100 dias de Governo são fundamentais para perceber a sua estratégia, se vai ou não haver diálogo. Por isso, não vamos fazer lutas antes de o Governo ver o seu programa consagrado no parlamento“, assegurou.

Carlos Silva considerou ainda que os resultados das eleições legislativas de janeiro mostram que “as pessoas querem estabilidade” e que essa estabilidade “tem que resultar em paz social, com valorização dos trabalhadores e dos salários”.

O Governo tem a perceção que é preciso aumentar os salários em Portugal, que é preciso abandonar o paradigma dos baixos salários“, defendeu.

Segundo o sindicalista, são necessárias medidas do Governo para assegurar a mudança, mas para isso “é preciso existir vontade política”.

Se Governo quiser melhorar as condições de vida e de trabalho, tem agora condições para o fazer na Assembleia da República“, considerou, referindo-se à maioria absoluta conseguida pelo PS.

Carlos Silva lembrou que o primeiro-ministro, António Costa, “ambiciona celebrar dois acordos de concertação social no primeiro semestre deste ano, um sobre a Agenda do Trabalho Digno e outro sobre Rendimentos e Competitividade, […] mas as empresas dizem sempre que não há condições para aumentar salários”.

“A UGT mantém disponibilidade para os dois acordos concertação, mas não irá subscrever um acordo que não tenha como contrapartidas aumentos salariais para os trabalhadores do setor privado, da Administração Pública e do Setor Empresarial do Estado”, prometeu.

Isto porque, segundo disse, “à UGT só lhe cabe defender, enquanto central sindical, uma mais justa distribuição de riqueza e a diminuição da carga fiscal“.

Acrescentou que existem questões que a UGT há muito reclama, como a reposição do valor do trabalho extraordinário para o valor pago antes da intervenção da ‘troika’, tal como o valor das indemnizações por despedimento.

“Há 10 anos que o país não evolui, nem para voltar ao que vigorava antes da ‘troika’. Se o Governo tem vontade política para repor que o faça”, disse Carlos Silva.

Carlos Silva prevê que UGT mantenha postura com nova liderança

Carlos Silva acredita que a UGT vai manter a sua postura de diálogo após a sua saída da liderança da central, pois o seu sucessor tem longa experiência sindical e maior proximidade ao secretário-geral do PS, António Costa.

“Estou convencido que a UGT não vai alterar a sua postura. Há um novo secretário-geral, com um novo estilo, […] mas a filosofia da UGT é indestrutível e vai-se manter”, disse o secretário-geral cessante da UGT, Carlos Silva, em entrevista à agência Lusa.

Carlos Silva deixa a liderança da UGT no próximo congresso da central, que se realiza sábado e domingo em Santarém, passando o testemunho a Mário Mourão, atual secretário-geral da tendência sindical socialista da UGT.

O ainda secretário-geral da UGT elogiou o percurso e experiência sindical do seu sucessor assim como a sua experiência política, com reflexos no seu relacionamento com o Partido Socialista.

Mário Mourão tem uma forte ligação ao PS, é membro dos seus órgãos nacionais, a comissão política e a comissão nacional, e poderá desenvolver uma maior aproximação ao atual secretário-geral do partido e primeiro-ministro, coisa que eu não consegui, por razões que não vou escalpelizar”, disse, lembrando que Mourão já foi até deputado.

Lembrou ainda que o futuro secretário-geral da UGT foi um dos fundadores da central, lidera um sindicato muito poderoso e representativo, o dos bancários do norte, e é muito popular no seio da central sindical.

“Quando se discute um candidato [à liderança da UGT], discute-se tudo, o poder que tem na central, a capacidade de mobilização […] e a questão financeira também impele a apoiar Mário Mourão, pois o Sindicato dos Bancários do Norte é um dos mais poderosos sob todos os pontos de vista”, considerou Carlos Silva.

O sindicalista, também ele proveniente do setor bancário, prevê que “o próximo congresso vai ser tranquilo”, porque se realiza num clima de “grande coesão e unidade interna”.

“Fiz todos os esforços, enquanto secretário-geral da UGT, para que a unidade interna se mantivesse, porque ela é essencial para defender os trabalhadores”, afirmou.

Carlos Silva foi eleito secretário-geral da UGT em abril de 2013.

Apesar das sucessivas crises que atravessou desde então, disse que nunca desistiu, tal como a UGT, “porque os trabalhadores foram muito castigados” nos últimos anos, nomeadamente com medidas de austeridade definidas no acordo de concertação social de 2012, subscrito pela central sindical.

O acordo de 2012 foi para resolver o empréstimo da ‘troika’, mas a situação foi ultrapassada e não houve vontade para repor as anteriores condições laborais“, disse o sindicalista, acrescentando que atualmente existem condições para fazer as necessárias alterações, faltando apenas vontade política para enfrentar os representantes patronais.

No entanto, segundo Carlos Silva, a UGT reconhece que “os governos governam para todos, para os trabalhadores e para os patrões, porque precisam de investimento público e privado”.

“Nenhum Governo do PS defendeu até hoje exclusivamente os trabalhadores e a proposta de Orçamento do Estado para 2022 tem essa mescla, embora devesse ser mais ambicioso nos apoios aos trabalhadores”, disse.

O sindicalista admitiu que um governo de esquerda deverá “tentar um equilíbrio entre o mundo do trabalho e das empresas” e considerou que a UGT “tem um papel muito difícil de fazer ligação e estímulo” nessa área.

“Tem que haver grande equilíbrio e sabedoria do Governo. À UGT só cabe defender melhor distribuição de riqueza e redução da carga fiscal”, defendeu.

A UGT tem concordado com apoios às empresas, mas quer contrapartidas para os trabalhadores, […] nomeadamente o aumento dos salários“, disse Carlos Silva.

O secretário-geral cessante da UGT salientou que a postura sindical da sua central é a da OIT, porque defende sempre o diálogo e não o conflito.

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem

Mais Ribatejo _ PopUp _ BolsaRecrutamentoULSETEJO 

banner fna24