Sábado, Maio 18, 2024
InícioLeiturasUma punição de Estaline que custou milhões de vidas aos ucranianos

Uma punição de Estaline que custou milhões de vidas aos ucranianos

A historiadora Anne Applebaum conduziu uma impressionante investigação à fome deliberada dos camponeses ucranianos, e o relato Fome Vermelha, A Guerra de Estaline Contra a Ucrânia, Bertrand Editora, 2022, é uma das mais impressionantes câmaras de horrores posta em letra de forma.

Estaline, ao contrário de Lenine, decretou a coletivização dos campos, forçou os camponeses a desistir das suas terras e a aderir a quintas coletivas. Um conjunto de colaboradores do ditador enviou-lhe mensagens urgentes de toda a URSS, descrevendo a crise. Mas Estaline não só queria pôr de joelhos essa Ucrânia que aspirava a soberania e ao respeito pela identidade nacional, como precisava de todas aquelas toneladas de cereais para exportar, decretou a rapinagem de tudo quanto se pudesse trazer das casas dos camponeses, era preciso ter dinheiro para comprar as máquinas que levassem à industrialização acelerada.

Anne Applebaum, historiadora norte-americana

“O resultado foi uma catástrofe: pelo menos 5 milhões de pessoas morreram à fome entre 1931 e 1934 por toda a URSS. Entre estes, contam-se mais de 3,9 milhões de ucranianos.” Ainda hoje os ucranianos estudam e comemoram este extermínio, o Holodomor, o extermínio pela fome. Mas o pesadelo foi mais longe, como refere a historiadora: “Enquanto os camponeses morriam no campo, a polícia secreta soviética lançou em simultâneo um ataque contra as elites intelectuais e políticas ucranianas. À medida que a fome se espalhava, foi desencadeada uma campanha de calúnia e repressão contra intelectuais, professores, curadores de museus, escritores, artistas, padres, teólogos, funcionários públicos e burocratas ucranianos. Qualquer pessoa ligada à efémera República Popular Ucraniana, que existiu durante alguns meses, a partir de junho de 1917, qualquer pessoa que tivesse promovido a língua ou a história ucraniana, qualquer pessoa com uma carreira literária ou artística independente, era suscetível de ser publicamente vilipendiada, presa, enviada para um campo de trabalho ou executada.

Imagem da confiscação de alimentos aos camponeses ucranianos

Como um rolo compressor encetou-se a sovietização da Ucrânia e a neutralização de qualquer contestação à unidade soviética. Como nos informa a autora, o livro abre em 1917 com a revolução ucraniana e o movimento nacional ucraniano que foi aniquilado em 1932-1933. Termina no presente, com uma discussão sobre a política de memória em curso na Ucrânia. É um livro que reflete um quarto de século de investigação, acesso aos arquivos de Kiev, e cresce o número de estudos, o movimento nacional ucraniano foi reavivado em 1991, ao recusar-se fazer parte de uma federação russa a Ucrânia fez implodir a URSS.
O mínimo que se pode dizer desta investigação é que é um trabalho admirável, escalpeliza a questão ucraniana, as suas aspirações à soberania, desvela a revolução de 1917 e a hostilidade do país aos bolcheviques, mas estes voltaram, a Ucrânia submeteu-se, era vital para Moscovo manter este celeiro disponível para impedir as fomes. A Nova Política Económica de Lenine não dava os resultados desejados. 10 anos após a revolução, o nível de vida na União Soviética era ainda mais baixo do que sob o jugo dos czares.

Estaline irá instituir a repressão policial, começou pelos comerciantes de cereais, a expulsão dos kulaks, abriu-se caminho para a coletivização, e montou-se um processo intimidatório para pôr fim a qualquer forma de ucranianização, inventaram-se conspirações, espionagem, sedições em marcha, chegara a hora de requisição dos alimentos.

Com a coletivização, estalou a revolução nos campos, inventaram-se novas conspirações, fizeram-se listas negras para castigos, fomentou-se a paranoia do inimigo, em 1930 os camponeses ucranianos revoltaram-se, foram esmagados. E temos o retrato do fracasso da coletivização, os camponeses em fuga, Estaline exige aumentar as exportações de cereais, usa-se mesmo os cereais como arma política: “Em 1920, exigiram, em troca dos cereais, que a Letónia reconhecesse a República Socialista Soviética da Ucrânia. Em 1922, o Governo soviético informou o Secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, lorde Curzon, de que, a menos que a Grã-Bretanha assinasse um tratado de paz com a Rússia soviética, podiam cortar o fornecimento de cerais aos mercados britânicos.
E chegou a hora do cataclismo, os camponeses têm que entregar tudo, o próprio partido comunista ucraniano estava dividido, Estaline vivia obcecado com a perda da Ucrânia, intensificaram-se as requisições, as listas negras, a vigilância das fronteiras. Encontrou-se um bode expiatório, para uso interno da URSS: era o sentimento nacionalista ucraniano, antissoviético, que levava ao fracasso das requisições, havia inimigos por toda a parte, procedeu-se a uma purga dentro do partido comunista ucraniano, desapareceram instituições, foram proibidas as representações teatrais em ucraniano, fuzilou-se a intelectualidade, publicou-se uma lista de autores banidos, os periódicos ucranianos receberam listas de palavras que não deviam ser usadas. Seguem-se buscas e confiscações, morre-se em casa, nas ruas, no trabalho.

A descrição da autora é impressionante, logo a explicar-nos o que é a inanição: “Na primeira fase, consome as reservas de glicose do corpo. Instalam-se as sensações de fome extrema, a par de pensamentos constantes sobre comida. Na segunda fase, que pode durar várias semanas, o corpo devora as proteínas, canibalizando tecidos e músculos. À medida que os desequilíbrios extremos começam a provocar retenção de líquidos, a pele acaba por ficar mais fina, os olhos distendidos, as pernas e a barriga inchadas. Os mínimos esforços levam à exaustão. Ao longo do processo, vários tipos de doenças podem acelerar a morte: escorbuto, formas clássicas de desnutrição proteica-calórica, pneumonia, tifo, difteria e um amplo leque de infeções de pele provocadas, direta ou indiretamente, pela escassez de alimentos.

O leitor que se prepare para ouvir testemunhos de sobreviventes, quadros de horror de toda a espécie, até mesmo de canibalismo. Os pais matavam os filhos ou atiravam-nos a um poço.
Sobreviveu-se com dor, comia-se de tudo, desde comida podre a cães, gatos e ratos, fazia-se sopas de urtigas e comia-se pão com amaranto; a população vivia bloqueada, procurou fendas e interstícios como a troca de joias por comida.

A fome ucraniana atingiu o auge na primavera de 1933. Estaline dizia publicamente que os agentes do antigo regime iam desaparecer. À cautela, fez-se uma operação de encobrimento. E a autora dá-nos conta como o Holodomor passou a fazer parte da história ucraniana.

Se o estudo da fome ajuda a explicar a Ucrânia contemporânea, mas também explica algumas atitudes da Rússia contemporânea, muitas das quais se enquadram em padrões de comportamento mais antigos.”

Todo o discurso do ódio continua a demonizar as pretensões do Kremlin, instrumentaliza-se a linguagem para pôr as pessoas umas contra as outras.

Milhões de pessoas foram exterminadas, a nação continua no mapa, os ucranianos de hoje discutem e debatem o seu passado.

Os arquivos estão abertos: o extermínio pela fome mostra até que ponto o presente é moldado pelo passado.

Mário Beja Santos

banner-complexo-aquático

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

banner-concerto-fazendas-almeirim

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem
spot_img
Fechar