Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024

Oferta

Receba o ebook Leituras Inextinguíveis Vol.II

InícioCultura & lazerEspetáculo Comunitário “Avieiros” sábado na Chamusca com entradas livres
banner-mes-da-enguia-salvaterra-de-magos

Espetáculo Comunitário “Avieiros” sábado na Chamusca com entradas livres

O Cineteatro da Chamusca recebe no próximo sábado, dia 11 de fevereiro, pelas 21h00, o espetáculo comunitário “Avieiros”, numa organização do Município da Chamusca e apresentação do Grupo de Teatro de Vieira de Leiria, Teatresco.

O espetáculo é baseado no romance lírico de Alves Redol, escrito em 1942 na aldeia típica piscatória da Palhota, em Valada, no Cartaxo, situada na margem direita do rio Tejo, onde as casas são construídas em palafita sobre estacas.

Nas margens do rio Tejo, nos anos 40/50 do século passado, Olinda, a personagem central da obra e do espetáculo, é uma mulher que vai crescendo à medida que cresce a sua ânsia de se libertar da vida dura da beira-rio.Chamusca Espetáculo_Avieiros

O espetáculo que vai desenrolar-se à volta desta história conta com a participação de 22 elementos em palco, entre os quais atores do Teatresco e elementos da comunidade vieirense.

A peça retrata a comunidade de pescadores que sazonalmente deixavam a sua terra, Vieira de Leiria, para ir pescar no rio Tejo. Com o passar dos anos alguns deles acabaram por se fixar e criar pequenos núcleos urbanos maioritariamente em palafita. Alguns desses núcleos ainda permanecem até aos dias de hoje, como é o caso da aldeia da Palhota, onde o escritor viveu alguns meses e que serviu de fonte de inspiração para terminar de escrever o seu livro que dá origem a esta peça, que conta com a encenação e adaptação de texto de Pedro Wilson.

Alves Redol projeta com mestria o importante papel da mulher na comunidade Avieira. Por vezes maltratada era a mulher que assumia quase sempre o comando da família, tal como na batedeira, o barco típico dos Avieiros, onde a mulher assumia o comando do barco a remos enquanto o homem lançava as redes de pesca.

Foi na Ilha dos Amores, nome dado por Alves Redol, onde tradicionalmente os noivos consumavam o casamento, na noite de núpcias, com os barcos dos convidados a rodear em silêncio a aldeia à espera da prova do ato consumado, que Olinda se apaixonou pelo seu Toino da Vala. A festa do casamento começava assim que a prova do ato era mostrada.

“Avieiros” sobe ao palco do cineteatro da Chamusca já no próximo sábado e as entradas são gratuitas.

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem