Domingo, Fevereiro 25, 2024

Oferta

Receba o ebook Leituras Inextinguíveis Vol.II

InícioOpiniãoCorreia da Serra - um sábio entre os sábios - por António...
banner-mes-da-enguia-salvaterra-de-magos

Correia da Serra – um sábio entre os sábios – por António Valdemar

Conviveu com os grandes cientistas da sua época e com intelectuais e políticos proeminentes das principais capitais da Europa e dos Estados Unidos. As comemorações do segundo centenário da morte desta personalidade do maior protagonismo permitem evocar a relação com figuras de projeção nacional e internacional ligadas a Coimbra e à sua Universidade

Por António Valdemar (texto)*
e André Carrilho (ilustração)

Um novo ciclo se iniciou em Portugal com a Revolução de 1820. Refletiu a corajosa determinação de substituir as conceções absolutistas por estruturas políticas, sociais e culturais que fundamentaram um novo regime, em que todos podem ouvir a sua voz, desde que se possam concretizar as liberdades, direitos e garantias constitucionais. Houve o contributo decisivo dos que permaneciam no exílio, submetidos às contingências do ostracismo e da solidão; e de outros, dentro de Portugal, que se empenharam na mesma luta, mas agindo com a reserva e a discrição impostas pelo sigilo.
José Correia da Serra, cujo segundo centenário da morte agora se completou, tem, finalmente, comemorações nacionais em torno da sua vida agitada e da sua obra exemplar. Nasceu em Serpa, a 5 de junho de 1751, e faleceu nas Caldas da Rainha, a 11 de setembro de 1823, quando recorria ao tratamento termal. Ali ficou sepultado, sem que lhe prestassem as devidas homenagens.
Um dos seus biógrafos, Augusto da Silva Carvalho (1861-1957), catedrático da Faculdade de Medicina de Lisboa, reconstituiu o percurso de Correia da Serra nas Memórias da Academia das Ciências (1948), divulgando factos e documentos que permitiram ampliar as investigações. É o caso de Michael Teague, em 1997, no texto de apresentação do catálogo dos manuscritos arquivados na Torre do Tombo, que possibilitaram a retificação e o acréscimo de questões primordiais. O Prof Dr. José Luís Cardoso, presidente da Academia das Ciências – que me alertou para esta circunstância – proferiu, no dia 15 de Setembro, no salão nobre da Academia das Ciências, uma comunicação sobre As origens do programa científico de Correia da Serra. Trata-se de mais um contributo fundamental de José Luís Cardoso, que já se ocupara do livro do Richard Beale Davis que revelou a correspondência com Jefferson e outros protagonistas da vida americana. Este livro, com uma introdução de José Luís Cardoso, foi traduzido com o patrocínio da Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e editado, em 2013, pela Imprensa de Ciências Sociais.
A obra Cidadão do mundo: uma biografia científica do Abade Serra (Porto Editora, 2006), escrita por Ana Simões, Maria Paula Diogo e Ana Carneiro, abriu novas perspectivas de conhecimento e de análise crítica. Na reabertura do ano académico de 2023/ 2024, Maria Paula Diogo dissertou, na Academia das Ciências, acerca da História, Botânica e Geologia na obra do Abade Correia da Serra. Recapitulou alguns aspetos já destacados numa obra que revisitou, exaustivamente: os biógrafos e biografias de Correia da Serra; a juventude em Itália; o regresso às origens; o refúgio em Londres; os amores em Paris; o período americano; e, por último, o reencontro com Portugal.
É de mencionar Ilídio do Amaral, autor de Estudos preliminares de inéditos juvenis de José Correia Serra. A propósito do Catalogue raisonné des voyageurs de ma bibliotheque (1769). (Edição Colibri, 2012) Coloca-nos perante a evolução de um cientista internacional, como o atestam os depoimentos de vários sábios seus contemporâneos e as numerosas instituições científicas que o acolheram. Todavia, Ilídio do Amaral não deixou de lembrar que, «após o triunfo da revolução liberal, retomou o lugar de Secretário da Academia, foi deputado às Cortes (1822-1823) e desempenhou altos cargos na Maçonaria, no Grande Oriente Lusitano».
Numa retrospectiva sumária, podemos aludir que José Correia da Serra era filho de Luís Dias Correia, médico formado na Universidade de Coimbra, que se radicou em Itália, a fim de escapar às garras da Inquisição. José Francisco Correia da Serra tinha apenas 6 anos. Em Roma licenciou-se em direito canónico e optou pela vida religiosa. Ficou a ser, em Roma, amigo de D. João Carlos de Bragança, Duque de Lafões, que conhecera o pai, na altura em que ambos frequentaram a Universidade de Coimbra.
Já com o título de abade Correia da Serra, regressou a Portugal. Possuía o total apoio do Duque de Lafões. Um ano depois, ele e D. João Carlos de Bragança fundaram a Real Academia das Ciências de Lisboa. Sucederam-se as perseguições movidas pelo Intendente Pina Manique. Abandonou o país para se fixar, alguns anos depois de exercer o cargo de secretário-geral da Academia das Ciências. Esteve ao corrente da concessão de bolsas de estudos na Europa para jovens membros da Academia. Tais como os brasileiros Manuel Ferreira da Câmara e José Bonifácio de Andrada e Silva, que impulsionaram a independência do Brasil.
Envolvido em novos problemas políticos, decidiu instalar-se no Reino Unido. Pelos seus altos méritos, ingressou na Royal Society e na Sociedade Lineana de Londres. Operou-se, em 1801, uma mudança inesperada na política portuguesa: Rodrigo de Sousa Coutinho foi designado Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros. Correia da Serra passou a ser secretário da representação diplomática portuguesa em Londres. Enquanto esteve em Paris, colaborou com os enciclopedistas, nomeadamente, com Antoine Laurent de Jussieu, Alexander Von Humboldt e Georges Cuvier.
Mas, por ocasião da terceira invasão francesa em Portugal, terá sido instigado para subscrever um documento para justificara política napoleónica. Ao recusar, terminantemente, Correia da Serra, mais uma vez, viu-se obrigado a procurar o exílio político, no estado americano da Virgínia. Chegou a Washington em 1812, com cartas de recomendação de individualidades francesas, com influência na política americana. Uma delas o Marquês de Lafayette. Filadélfia constituiu, porém, o seu espaço privilegiado. Foi logo admitido na American Philosophical Society. Verificou-se, de imediato, a amizade recíproca e a admiração mútua entre Correia da Serra e Thomas Jefferson. Em Monticello frequentou, com assiduidade, a residência palaciana da família Jefferson.
Voltou a Portugal em 1820. Estava implantada a revolução liberal. Eleito deputado às Cortes, participou na construção de um Portugal que apostava nos imperativos do presente e do futuro. Está com D. Francisco de Lemos (1735-1822), o célebre reitor e, durante quatro décadas, Bispo de Coimbra, que promoveu a reforma total da Universidade, e com outras personalidades que se formaram em Coimbra, integraram as cortes Constituintes e, ainda, fundadores da então Real Academia das Ciências – e que se tornaram, em vários domínios, referência obrigatória.
Na sessão efetuada na Academia das Ciências, além das intervenções que anotamos, José Alberto Silva e Fernando Figueiredo apresentaram uma comunicação a propósito dos Ensaios para a História da Academia das Ciências. As finalidades estatutárias definidas por Correia da Serra ficaram, logo no princípio, sintetizadas na legenda: Nisi utile est quod facimus, stulta est gloria. Ou seja, na tradução portuguesa: Se não for útil o que fazemos, a glória é vã.

Decorridos mais de dois séculos perdura o objetivo de Correia da Serra ao unir o que está disperso, ao circunscrever a ciência e, de um modo geral, a cultura, ao serviço integral do aperfeiçoamento humano.

* Jornalista, carteira profissional número UM e sócio efetivo da Academia das Ciências

api rodape100

 

banner-jornadas-gastronomia-Coruche

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem