Quinta-feira, Maio 23, 2024
InícioOpiniãoOs métodos do Império: música para camaleões e a utilidade do papel...

Os métodos do Império: música para camaleões e a utilidade do papel higiénico – por Carlos Matos Gomes

Complicar o que é simples. Baralhar o que parece evidente. Entontecer as vítimas antes de as dominar. Estes são os princípios que motivam as infindáveis horas em que cientistas políticos, comentadores de secos e molhados discutem a situação internacional. Música para camaleões, o título de um grande livro de Truman Capote, neste caso para camelos e multidões.

As duas questões do momento, a guerra na Ucrânia e na Palestina são simples de analisar: Na Ucrânia, os Estados Unidos repetem o que têm feito desde o Vietname, o que fizeram no Iraque e no Afeganistão, na Sérvia: depois de causarem o caos através de marionetas locais, de realizarem os negócios de venda de armas com os corruptos que colocaram no poder e de desestabilizarem uma região, abandonam os seus “aliados”, os prostitutos da ocasião, pagam-lhes ou eliminam-nos. Zelenski já percebeu a sorte que lhe está reservada e começou agora a esbracejar. Já terminou a procissão de cangalheiros que o visitavam para o animarem com palmadas nas costas e beijos para exibição pública. Já terminaram as visitas de condolências a Bucha, erigido em local de peregrinação.

Quanto a Israel, é a hipocrisia do costume: Israel é uma âncora regional, um pilar da fortaleza americana no Medio Oriente, como o Reino Unido é na Europa. Israel é impune e o apoio americano não se baseia em moral, mas nos interesses. O regime de Biden montou uma grande campanha de manipulação para passar a mensagem do repúdio pelo genocídio dos palestinianos cercados em Gaza, com viagens sucessivas de um animador de pista, o secretário de Estado Bliken, enquanto fornecia armas e vetava condenações na ONU. Agora, quando Gaza está arrasada, os palestinianos mortos, ou sem casa, quando se aproximam os momentos decisivos da campanha eleitoral nos Estados Unidos, surgem as negociações promovidas pelo “capitão América”, anuncia-se a retirada das tropas sionistas e até a saída de cena de Netanyahou, o carniceiro de Gaza. A hipocrisia tem de ser bem adulterada para fazer engolir a mistela.

Zelenski e Netanyahou são os atuais rostos da estratégia dos Estados Unidos que se desenvolve desde o final da Segunda Guerra para imporem e manterem o seu poder global. Cumprem papéis determinados como outros antes deles. Têm a utilidade e o destino do papel higiénico.

Os Estados Unidos repetem os seus métodos de poder imperial quer na Ucrânia, quer na Palestina. Os cientistas políticos e acompanhantes passam horas a explicar que é tudo em nome dos valores do Ocidente — o que é verdade, sendo a mentira que esses valores sejam os da boa justiça e do mínimo respeito pelos direitos elementares dos seres humanos. A máquina de propaganda tem como objetivo fazer de nós cúmplices dos crimes e assim nos castrar o sentido critico.

Carlos Matos Gomes

banner-complexo-aquático

1 comentário

  1. A mentira é inerente à ideologia hegemónica e os comissários político-ideológicos (“comentadores”), que nos entram pela casa dentro, limitam-se a repeti-la até à exaustão.

Deixe o seu comentário

por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Também pode ler

Subscreva a newsletter

Receba as notícias do dia do jornal Mais Ribatejo diretamente na sua caixa de email.

Artigos recentes

Comentários recentes

pub
banner-união-freguesias-cidade-santarem
spot_img
Fechar